Militares de Honduras iniciam depoimento com atraso

Fontes da Corte Suprema justificaram atraso de três horas devido a reunião para analisar outro assunto

Efe,

14 de janeiro de 2010 | 23h28

Os membros da Junta de Comandantes das Forças Armadas iniciaram nesta quinta-feira, 14, com mais de três horas de atraso, seu depoimento perante o juiz especial pela expulsão do país do presidente deposto, Manuel Zelaya, informaram fontes judiciais.

 

Veja também:

linkCongresso de Honduras declara Micheletti 'deputado vitalício'

 

A declaração, que deveria ter começado às 14h30, começou às 18h local (21h de Brasília), disseram a jornalistas fontes da Corte Suprema de Justiça que, sem dar mais detalhes, justificaram a demora por causa de uma reunião para analisar outros assunto.

 

A audiência começou com a presença do juiz natural do caso, Jorge Rivera, dos seis oficiais que integram a Junta dos Comandantes, seus advogados e os fiscais do Ministério Público.

 

O MP acusou os militares no último dia 6 dos delitos de abuso de autoridade e expatriação por terem enviado Zelaya à Costa Rica em 28 de junho.

 

A Constituição do país proíbe a expatriação de hondurenhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.