Militares morreram na mais nobre missão humanitária, diz Lula

Presidente esteve na cerimônia em homenagem aos brasieliros mortos no terremoto que atingiu o Haiti dia 12

Neri Vitor Eich e Ana Paulo Scinocca, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2010 | 16h32

Velorio dos militares mortos no terremoto do Haiti na Base Aérea de Brasilia. Foto: Celso Júnior/AE

 

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao discursar nesta quinta-feira, 21, na Base Aérea de Brasília, na cerimônia em homenagem aos 18 militares que morreram no terremoto do Haiti, no dia 12, referiu-se a eles como "bravos soldados do Exército Brasileiro" e afirmou que os 18 tombaram "cumprindo a mais nobre missão humanitária até hoje atribuída às Forças Armadas" - a reconstrução daquele país e o serviço de prestação de socorro às vítimas de um "destino implacável".

 

Veja também:

linkAmorim homenageia número 2 da ONU morto no Haiti

 

O presidente afirmou que os soldados brasileiros no Haiti "nunca foram confundidos com invasores estrangeiros", pois, desde antes do terremoto, estavam lá participando da missão das Nações Unidas encarregada de estabilizar o país, comandada por militares brasileiros. Depois de citar nominalmente cada um dos mortos, Lula agradeceu-lhes, em nome do Brasil, pelo trabalho humanitário realizado.

 

Lula tentou confortar os familiares dos militares e disse que em momentos como este, "as palavras se tornam frágeis diante da brutalidade dos fatos". "Peço a Deus que permita manter na memória o exemplo desses homens valorosos." Todos os 18 militares receberam promoção post mortem.

 

Lula, depois de depositar medalha sobre cada um dos caixões dos 18 militares cobertos com a bandeira nacional, homenageou também dois civis brasileiros mortos na tragédia do Haiti: a médica sanitarista Zilda Arns, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, e Luiz Carlos Costa, o número 2 no comando da missão das Nações Unidas no Haiti. O presidente Lula encerrou seu rápido pronunciamento agradecendo nominalmente a cada um dos militares mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.