Militares que mataram civis têm prisão ordenada na Colômbia

Eles são acusados pelo homicídio de dois menores de idade e um adulto em um suposto combate com Exército

EFE

13 de dezembro de 2008 | 02h11

Um promotor da União Nacional de Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário da Procuradoria Geral da Colômbia ordenou nesta sexta-feira a detenção de seis militares envolvidos no homicídio de dois menores de idade e um adulto em um suposto combate com tropas do Exército. Ele ordenou a detenção, sem direito a fiança, do tenente-coronel David Herley Guzmán Ramírez, do tenente Manuel Antonio Quintero Flórez e do suboficial Carlos Andrés Carabalí, além dos soldados Fidel Iván Ochoa Blanco, Oswaldo Manuel Arrieta e Ricardo Manuel Buelvas Lozano, os dois últimos já reformados do Exército. Os militares apresentaram como mortos em combate Diofanor Guisao Ríos, María Zenaida Areiza - ambos menores de idade - e Isodoro de Jesús Cardona, em 15 de julho de 2005, na zona rural de Dabeiba, localidade no noroeste do país. Em comunicado, a Procuradoria explicou que "de acordo com as versões entregues aos investigadores por familiares das vítimas , estas foram tiradas à força de diferentes lugares e em diferentes momentos por homens armados". A fonte indicou que os seis foram processados "por sua suposta responsabilidade no delito de homicídio em pessoa protegida (pelo Direito Internacional Humanitário)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.