Mineiros do Chile serão monitorados por cinturões usados pela Nasa

Artefatos de astronautas servirão para verificar sinais vitais dos trabalhadores durante resgate

Efe,

28 de setembro de 2010 | 21h05

Parente de mineiro preso anda pelos arredores da mina no deserto do Atacama

 

SANTIAGO- Doze cinturões biométricos como os usados pelos astronautas da Nasa irão controlar os sinais vitais dos 33 mineiros presos em uma mina no norte do Chile, especialmente no momento do resgate, informaram especialistas nesta terça-feira, 28.

 

Veja também:

especialInfográfico: animação mostra como será o resgate

especialLinha do tempo: os piores acidentes da década

 

Segundo as fontes, a saída dos trabalhadores em uma cápsula especialmente construída para a situação durará cerca de vinte minutos, período no qual eles podem sofrer uma série de quadros clínicos, incluindo desmaios.

 

Segundo o jornal vespertino La Segunda, cada cinturão será conectado a um sistema de monitores que, via radiofrequência, enviarão ao exterior uma série de medições metabólicas indicando o estado em que se encontram os mineiros.

 

Assim, poderão ser avaliadas em tempo real a frequência cardíaca e respiratória, o nível de oxigênio, a temperatura corporal, a acidez da transpiração, assim como verificar se a pessoa está acordada, dormindo ou desmaiada.

 

"A ideia é ter um conhecimento exato sobre o estado em que se encontram os (mineiros) presos e sua evolução em termos físicos para que cheguem à saída em uma condição ótima", explicou ao La Segunda Jean Romagnoli, treinador pessoal dos mineiros.

 

A duração estimada da subida à superfície é de 15 minutos, tempo em que os trabalhadores estarão encerrados na cápsula e dentro do túnel de saída, "uma situação estressante para qualquer pessoa", acrescentou Romagnoli.

 

O chefe técnico do resgate, André Sougarret, disse hoje que a data prevista para o resgate se mantém para o início de novembro e que no fim da semana que vem toda a logística estará pronta para isso.

 

Sougarret também afirmou que entre ontem e hoje o "Plano B" de resgate avançou 50 metros, alcançando seu melhor rendimento histórico, mas pediu que "não se façam cálculos simples, como que poderiam sair na próxima semana, porque a rocha coloca vários inconvenientes à passagem da perfuradora T130".

 

Uma fonte do ministério do Interior do Chile disse nesta terça à agência France Presse que dentro de 15 dias 'tudo estará pronto' para o resgate.

 

Os 33 mineiros sobreviveram por 19 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas, até serem descobertos pelas autoridades.

 

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso à água e canais de ventilação.

 

Leia ainda:

link Legisladores dos EUA aprovam moção em apoio a mineiros chilenos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.