'Minha gratidão a Fidel e a Cuba não tem limites', diz Dirceu

Ex-ministro-chefe da Casa Civil diz que ficou emocionado ao ler, nesta manhã, que Fidel Castro renunciara

Agência Estado,

19 de fevereiro de 2008 | 13h24

O ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu afirmou nesta terça-feira, 19, em seu blog que leu emocionado nesta manhã a notícia de que Fidel Castro renunciara ao cargo de presidente do Conselho de Estado e comandante-em-chefe de Cuba.   Após 49 anos no poder, Fidel Castro renuncia Saída de Fidel é início de democracia, diz Bush Renúncia não retira caráter de mito, diz Lula Tarso diz que decisão de Fidel foi madura Raúl Castro torna-se guardião da revolução Fidel volta a citar Niemeyer na renúncia Leia frases que marcaram os discursos de Fidel Artigo publicado no Granma (em português) A trajetória de Fidel Castro  Principais capas do Estadão sobre Fidel  Guterman: como a história julgará Fidel?   'Dificilmente ele deixará de influenciar'  Você acha que o regime em Cuba mudará?   Fidel Castro: herói ou vilão?    "Minha gratidão a Fidel e ao povo de Cuba não tem limites. A solidariedade e apoio que nos deram nos mais difíceis momentos de nossas vidas, quando até mantermos a vida era um risco, são inesquecíveis", escreveu Dirceu.   Dirceu lembrou que ao ler a mensagem publicada pelo jornal oficial do Partido Comunista Cubano, o Granma, sentiu a mesma emoção de quando conheceu o líder comunista, em 1969, ao desembarcar em Havana com um grupo de presos políticos trocados pelo embaixador americano no Brasil, Charles Elbrick.   "Eu tinha 23 anos, ele (Fidel), 43, e a Revolução Cubana, dez", rememorou Dirceu. "Foi a primeira vez que o vi e nunca mais aquelas imagens se apagaram da minha mente", prosseguiu.   O ex-ministro afirmou que Fidel, seu povo e Cuba "resistiram 50 anos ao bloqueio criminoso e inumano dos Estados Unidos" e que "não só sobreviveram, com dignidade e condições sociais invejáveis, como prestaram solidariedade às lutas de libertação nacional e contra a opressão em todo o mundo, principalmente na América Latina e na África".   José Dirceu disse ainda em seu site que partilhou com os cubanos seus sonhos, suas vitórias e suas derrotas. "Vi o povo todo chorar o fracasso da safra dos 10 milhões e as crises enfrentadas pelo país", relatou.   Para o ex-ministro, apesar do fim da União Soviética, "Cuba sobreviveu com índices sociais de país desenvolvido e resistiu soberana às investidas para subjugá-la e torná-la de novo uma colônia do império".   Ele observou que o governo cubano "não é um modelo ou a perfeição do socialismo, mas é um símbolo emblemático a representar a dignidade, a defesa, a independência e a soberania que um povo pode conquistar".   Dirceu concluiu sua nota afirmando que nada da história recente das lutas e do povo da América Latina poderá ser escrito sem Fidel. "Ele encarnou o espírito mambi, rebelde e irredento do povo Cubano e o dos povos da toda a América Latina em sua luta antiimperialista".   Segundo o ex-ministro, Fidel, que sempre foi "revolucionário, fiel às suas idéias, coerente e aberto ao debate e a luta de idéias, deixa agora a linha de frente do comando do seu país para continuar como simples companheiro".

Tudo o que sabemos sobre:
José DirceuFidel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.