Ministro da Defesa paraguaio renuncia assombrado por julgamento

O ministro da Defesa paraguaio, Luis Bareiro Spaini, colocou seu cargo à disposição do presidente Fernando Lugo na segunda-feira, assombrado por um julgamento político no Congresso de maioria opositora, um movimento que abre caminho para o mandatário eleger um sucessor.

REUTERS

23 de agosto de 2010 | 20h36

A decisão do general retirado aconteceu quatro dias depois de a Câmara dos Deputados aprovar o julgamento, o primeiro contra um integrante do gabinete de Lugo, e quando o Senado se preparava para julgá-lo por mau desempenho de funções.

"Tenho o direito de expressar a Vossa Excelência, para sua necessária consideração, a disponibilidade do cargo de ministro da Defesa Nacional", disse Bareiro em nota.

O ministro não explicou os motivos de sua determinação, mas garantiu ter colaborado de maneira "correta, eficaz, honesta e solidária na administração iniciada em 15 de agosto de 2008", data em que Lugo assumiu a Presidência.

O julgamento político contra Barreiro foi proposto depois do roubo de três fuzis de guerra de uma unidade militar e de o ministro não ter atendido a um chamado do Congresso para dar explicações.

Lugo "terá seu tempo" para decidir se substitui o funcionário e não tomará nenhuma decisão a curto prazo, disse o ministro das Comunicações, Augusto dos Santos, à rádio Ñandutí.

(Reportagem de Daniela Desantis)

Tudo o que sabemos sobre:
PARAGUAIDEFESASAI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.