Missão denuncia violações de direitos humanos em Honduras

Grupos citam 'prisões arbitrárias, execuções extrajudiciais e restrição à liberdade de expressão' após golpe

23 de julho de 2009 | 18h48

Em Honduras foram registradas "violações graves e sistemáticas" dos direitos humanos depois do golpe de Estado de 28 de junho, anunciou nesta quinta-feira, 23, uma missão internacional integrada por representantes de diferentes organismos. Entre os abusos, o grupo denunciou execuções extrajudiciais durante o toque de recolher noturno, pressões contra veículos de imprensa e jornalistas críticos ao presidente de facto, Roberto Micheletti, e a "suspensão dos direitos fundamentais dos hondurenhos", segundo a agência France Presse.

 

Veja também:

linkEUA e OEA fazem apelo a Zelaya e Micheletti para acordo

linkZelaya pede medidas 'mais drásticas' contra golpistas

linkMicheletti só dialoga se deposto não voltar ao poder

especialPara analistas, pressão econômica seria a saída

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

A missão de 15 membros é formada por delegados da Federação Internacional dos Direitos Humanos, do Centro pela Justiça e Direito Internacional, Serviço Paz e Justiça e outras entidades. "A missão identificou a existência de graves violações aos direitos humanos ocorridas no país após o golpe de Estado", afirmou Enrique Santiago, da Federação de Associações de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos da Espanha.

 

Ele citou uma "centena de prisões arbitrárias, múltiplas ameaças e restrição à liberdade de expressão e informação". O comissário dos Direitos Humanos de Honduras, Ramón Angel Custodio, apoiou com entusiasmo o governo de Micheletti e negou as denúncias. O próprio líder de facto já negou que seu governo viole os direitos humanos e convidou instituições para que visitassem o país.

 

No informe de 14 páginas da missão internacional, são mencionados quatro assassinatos por motivações aparentemente políticas e um de natureza homofóbica. A estas mortes se soma a de Isis Murillo, jovem morto por soldados em 5 de julho, durante uma manifestação pró-Manuel Zelaya, presidente deposto de Honduras, quando ele tentava regressar ao país.

 

"Recebemos denúncias, e também constatamos (...) ameaças de morte contra jornalistas, bloqueio de suas transmissões, interceptação telefônica e bloqueio do acesso à internet", acrescentou Santiago. Zelaya foi deposto e expulso do país por militares no dia 28 de junho, sob a alegação de que ele pretendia mudar a Constituição hondurenha para promulgar um referendo sobre um segundo mandato, o que é proibido.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.