Missão humanitária parte para resgatar refém das Farc

Helicópteros brasileiros decolam da base de Villavicencio para buscar o ex-governador Alan Jara

Agências internacionais,

03 de fevereiro de 2009 | 11h58

A missão humanitária com apoio logístico brasileiro partiu por volta das 11h50 com um helicóptero com insígnias do Comitê Internacional da Cruz Vermelha até a selva colombiana para resgatar o ex-governador Alan Jara, há sete anos em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   Veja também: Farc prometem libertação dos últimos reféns políticos Cronologia dos sequestrados das Farc Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região     O aparelho Cougar brasileiro decolou com a congressista colombiana Piedad Córdoba, um médico e dois delegados do organismo humanitário, e cinco tripulantes. O porta-voz do CICV na Colômbia, Yves Heller, confirmou que apenas um helicóptero decolou rumo ao sul da Colômbia para receber Jara, sequestrado pelas Farc em 2001. "Só saiu um helicóptero, e o outro ficou de apoio caso precisemos de um segundo para razões logísticas ou problemas mecânicos", disse.   Heller se comprometeu a continuar dando informações sobre o desenvolvimento da missão humanitária, já que hoje foi proibido o acesso da imprensa ao aeroporto de Villavicencio (a 120 quilômetros de Bogotá), para não prejudicar a operação. Além disso, afirmou que a Cruz Vermelha mantém contato com as Farc através de diferentes canais e que já tem as coordenadas de "onde deveria acontecer a entrega".   Os rebeldes das Farc anunciaram em dezembro que libertariam seis pessoas. As quatro primeiras - três policiais e um militar há dois anos em poder da guerrilha - já foram soltas no domingo. Na ocasião, a missão humanitária encabeçada pela senadora oposicionista Piedad Córdoba retirou-os em uma zona não informada do sul colombiano. Agora, a meta é trazer Jara, de 51 anos, ex-governador do departamento (Estado) de Meta, no sul do país. Jara foi capturado pelos rebeldes em 15 de julho de 2001, na zona rural de Meta, quando era transportado em veículo das Nações Unidas, enquanto visitava obras de construção de interesse social para o departamento.   Minutos antes de partir, a congressista opositora Piedad Córdoba expressou sua alegria de saber que, se tudo correr bem, ainda nesta terça trará Jara de volta Villavicencio, capital do departamento de Meta, de onde ele era governador quando foi sequestrado. "É muita ansiedade e alegria de saber que, se tudo for bem, ainda esta tarde estaremos aqui com Alan. É importante que tudo saia bem, que não existam mal-entendidos por parte das Farc", disse. Córdoba acrescentou que, dentro do cronograma previsto, espera-se que o retorno ao aeroporto de Villavicencio seja entre 14h e 15h (17h e 18h de Brasília).       Claudia Rugeles, a esposa de Jara, preferiu manter silêncio para não prejudicar o desenvolvimento da missão, mas, antes da saída do helicóptero, agradeceu a tenacidade e coragem de Córdoba, e enviou uma mensagem ao marido: "sua família e o país inteiro o esperam de braços abertos". Minutos depois, Claudia saiu do aeroporto e foi para casa junto com a família, para esperar a notícia da libertação e retornar a fim de receber o helicóptero no qual estará o marido.   O sexto homem que as Farc anunciaram que libertariam e que Piedad indicou que localizaria na quinta-feira é Sigifredo López, de 45 años. López é um ex-deputado da Assembleia Regional do departamento de Valle del Cauca, no sudoeste do país.   Matéria atualizada às 12h50.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.