Missão para libertar reféns começa nesta sexta, diz Chávez

Segundo o presidente venezuelano, a operação se realizará a partir da base aérea militar de Santo Domingo

Hugh Bronstein e Fabián Andrés Cambero, da Reuters,

28 de dezembro de 2007 | 07h20

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou que a missão para recolher três reféns mantidos sob cativeiro pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) será iniciada nesta sexta-feira, 28.   Veja também: Garcia diz que libertação de reféns pode pacificar a Colômbia Chávez 'elogia' portunhol de Lula em coletiva sobre Farc Cronologia: do seqüestro à perspectiva de liberdade Entrega de reféns deve ocorrer em 72 horas, diz vice-chanceler Segundo ele, a operação, que contará com observadores internacionais, se realizará a partir da base aérea militar de Santo Domingo, no sudoeste do país. A Colômbia deu permissão para que o presidente venezuelano envie três aviões e dois helicópteros para resgatar duas políticas e o filho de uma delas nascido no cativeiro. "Aproximadamente às 15h, os helicópteros partem com suas tripulações, sendo um deles com equipamento médico. É a equipe avançada da operação", explicou Chávez a jornalistas na noite de quinta, 27. Entre os observadores internacionais presentes estão Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência, e o ex-presidente argentino Néstor Kirchner. Poderá levar algum tempo para que a missão seja finalizada, devido à possibilidade de terrenos difíceis de atravessar e condições meteorológicas imprevisíveis no local onde as Farc mantêm os reféns. "Os termos da operação foram selados, mas ainda assim é uma operação complicada", disse à Reuters um militar colombiano, que pediu para não ser identificado.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.