Morales acusa EUA de conspirarem em plebiscito de autonomia

Para presidente, 'há agentes internos e externos no país que conspiram' contra ele e seu governo

Efe,

06 de maio de 2008 | 03h41

O presidente da Bolívia, Evo Morales, acusou nesta segunda-feira, 5, a Embaixada dos Estados Unidos em La Paz de conspirar com grupos promotores do plebiscito de autonomia do departamento de Santa Cruz, em declarações à televisão cubana. "Há interesses, infelizmente, de grupos; mas também quero que o mundo inteiro saiba que esta conspiração é orquestrada pela Embaixada dos Estados Unidos", disse Morales. O governante afirmou que "é impressionante como o embaixador (dos EUA) na Organização dos Estados Americanos (OEA) defendeu essas atitudes ilegais, inconstitucionais, de alguns dirigentes de Santa Cruz". Morales também denunciou que "há agentes internos e externos no país que conspiram" contra a mudança, contra ele e contra seu Governo. Acrescentou que a consulta de domingo passado em Santa Cruz "foi um grande fracasso". Santa Cruz realizou uma consulta que ratificou com mais de 80% dos votos o estatuto autônomo dessa região, segundo pesquisas de boca-de-urna e dados fornecidos pela Corte Departamental Eleitoral, após a apuração de um terço dos votos. No entanto, Morales afirmou "lamentar muito" que "alguns grupos oligárquicos ainda não reconheceram sua derrota". "O 'não', a abstenção, e os votos brancos ou nulos somam mais de 50%. Por isso, é uma total derrota para a direita fascista pró-imperialista que está concentrada na cidade de Santa Cruz", afirmou Morales. O presidente boliviano disse também que um acordo com os dirigentes regionais ainda é possível, "desde que exista uma vontade política". No entanto, afirmou que se "alguns" governadores "adotam uma atitude conspirativa, o acordo seguramente não vai acontecer, e se não há acordos entre políticos, o povo deverá decidir o destino do país".

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviareferendoautonomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.