Morales afirma que governará a Bolívia por 'muito tempo'

Segundo presidente, embaixador americano em La Paz faz parte de 'conspiração' para tirá-lo do poder

Efe,

05 de novembro de 2007 | 03h13

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou neste domingo, 4, que ficará durante "muito tempo" no poder, apesar da "conspiração" liderada pela oligarquia de seu país. Segundo ele, embaixador americano em La Paz, Philip Goldberg, faz parte do grupo que quer tirá-lo do poder. "Os oligarcas bolivianos diziam que não permaneceríamos no poder por mais de quatro ou seis meses, mas o que não sabem é que ficaremos no governo por muito tempo", disse o governante boliviano, após ser investido Doutor Honoris Causa pela Universidade Autônoma de Santo Domingo (UASD). Morales, que visita a República Dominicana, disse que os grupos conservadores da Bolívia "não aceitam" a chegada de um indígena ao poder, e por isso se dedicam a conspirar contra seu governo. "Eles formaram uma aliança com o embaixador dos Estados Unidos na Bolívia e com paramilitares colombianos que utilizam solo boliviano, com o propósito de pôr fim a um governo que luta pela igualdade, a solidariedade e pelo bem-estar de todos os bolivianos", disse. O governante comentou ainda que a reforma da Constituição boliviana vai tirar o poder da oligarquia e passá-lo para a população local. "A reforma da Constituição que impulsionamos vai tirar o poder da oligarquia e dá-lo ao povo, fará com que os serviços básicos sejam públicos e tirará as bases militares dos Estados Unidos de nosso território", afirmou. Morales também destacou o processo de nacionalização dos hidrocarbonetos em seu país e afirmou que antes de sua iniciativa esse setor fornecia à Bolívia cerca de US$ 300 milhões ao ano, enquanto agora ultrapassa os US$ 2 bilhões anuais. "Quando chegamos ao poder, as reservas internacionais da Bolívia eram de US$ 1 bilhão, e no final deste ano estarão acima dos US$ 5 bilhões", assegurou. Antes de voltar à Bolívia, Morales se reunirá no Palácio de Governo com seu colega dominicano, Leonel Fernández.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvo Morales

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.