Morales inicia marcha por referendo constitucional na Bolívia

O presidente da Bolívia, Evo Morales, deu o ponta pé inicial, na segunda-feira, a uma grande marcha a ser realizada por sindicatos e outras organizações sociais rumo a La Paz para exigir a convocação de um referendo com vistas a aprovar uma nova Constituição de viés socialista. Pouco antes do meio-dia, ao lado do líder sindical nacional, Pedro Montes, e de outros dirigentes, Morales caminhou as primeiras centenas de metros da estrada de 200 quilômetros que separa Caracollo de La Paz, a capital política do país. A marcha foi descrita como "a maior da história". Grupos de música e um Sol ardente acompanharam o início festivo da manifestação, iniciada com cerca de 5.000 pessoas e que, segundo previu Morales, reunirá "mais de 1 milhão" ao chegar à capital, dentro de uma semana, se antes disso o Congresso não convocar o referendo. "Esta marcha é realizada em nome da refundação da Bolívia", disse o presidente em um discurso proferido antes do início da passeata, na qual destacava-se o colorido das delegações indígenas de vários departamentos, entre os quais o de Santa Cruz, bastião da oposição conservadora. O dirigente lamentou não poder satisfazer sua "grande vontade" de participar de toda a passeata, recordando seus tempos de líder dos sindicatos de cocaleiros, quando encabeçou várias caminhadas de protesto. A manifestação, a ser realizada na principal estrada de ligação entre La Paz e o restante do país, começou enquanto o governo e a oposição tentam chegar a um acordo para convocar o referendo constitucional. Morales quer marcar esse pleito para o primeiro trimestre de 2009. Em busca dos cerca de 20 votos que ainda faltam a fim de alcançar o quorum de dois terços necessário para convocar o referendo, os governistas aceitaram negociar a inclusão de modificações pontuais na nova Carga Magna. Morales, aliado do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse que aceitou rever o texto no Congresso apenas para corrigir "contradições" e não para alterar questões de fundo como alegaram os líderes da oposição. O presidente conclamou os legisladores antigovernistas a aprovarem o referendo constitucional e chegou até mesmo a convidá-los para, depois de sancionada a lei convocatória, saírem ao encontro da marcha "a fim de que esta seja uma festa de união". Morales lembrou no domingo que o governo já havia aceitado vários pedidos de governadores da oposição sobre modificar o capítulo da Constituição que trata da autonomia dos Departamentos. A nova Carta Magna, aprovada em dezembro de 2007 por uma assembléia constituinte dominada pelos governistas, dará mais poder aos povos indígenas (maioria da população), eliminará os latifúndios e consolidará um modelo econômico controlado pelo Estado. "Esta não é uma marcha de dor mas de orgulho por nossa querida pátria, não é uma marcha de tristeza mas de alegria, com bandas de música de carnaval, conjuntos musicais, roupas típicas do leste, do oeste e do sul, de todos os setores", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.