Morales quer consolidar 'revolução' em referendos em 2008

'2008 será o ano da consolidação do processo de transformações', diz o ministro Juan Rámon Quintana

Efe,

29 de dezembro de 2007 | 17h03

O presidente da Bolívia, Evo Morales, deseja consolidar sua "revolução" através de referendos que serão realizados no próximo ano, anunciou neste sábado, 29, uma fonte oficial. "O ano de 2008 será o da consolidação do processo de transformações, de revolução democrática cultural e pacífica", disse o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, segundo a Agência Boliviana de Informação (ABI, estatal). Para analisar o ano de 2007, Morales se reuniu com sua equipe de Governo até a meia-noite de sexta-feira na cidade central de Cochabamba, um dia após se encontrar com dirigentes dos sindicatos e movimentos leais a seu mandato. Morales viajará neste sábado à área de Chapare, seu reduto político e sindical, para fazer o mesmo trabalho com os produtores de coca, dos quais ainda é líder. O ministro Quintana destacou que 2008 será um ano que terá como base a realização de três referendos, um para a consolidação ou revogação do mandato do presidente e dos nove prefeitos regionais (governadores) do país, e outros dois sobre o novo texto constitucional promovido pelo chefe de Estado boliviano. Um projeto de lei enviado ao Congresso pelo Governo estabelece que o mandato das autoridades será revogado se o índice de rejeição for maior que a aprovação obtida nas eleições gerais de dezembro de 2005. Outro referendo diz respeito à definição da superfície de terras - 5 mil ou 10 mil hectares - que deve ser considerada latifúndio passível de expropriação, enquanto o terceiro debate o projeto da nova Carta Magna, que tem 411 artigos, para definir se ela entra ou não em vigor.

Tudo o que sabemos sobre:
Evo MoralesreferendosBolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.