Morre Juan Bustos, ícone anti-Pinochet

O presidente da Câmara dos Deputadosdo Chile, Juan Bustos, conhecido pela defesa dos direitoshumanos e por denunciar os abusos da ditadura de AugustoPinochet, morreu em um hospital de Santiago na quinta-feira,depois de uma luta contra o câncer de fígado. Bustos, importante professor de direito e membro do partidosocialista, havia sido eleito presidente da Câmara neste ano.Ele tinha 72 anos. "A presidente declarou três dias de luto nacional", disse oporta-voz chefe do governo, Francisco Vidal. "Em uma palavra,hoje um homem bom nos deixou, um homem muito bom." Mais do que seu trabalho no Congresso, Bustos, pai de setefilhos, era conhecido por sua contribuição como um dosadvogados de defesa dos direitos humanos mais importantes doChile. Antes de se tornar parlamentar, em 1998, ele representou asfamílias das pessoas assassinadas durante a ditadura dePinochet (1973-1990), quando mais de 3 mil pessoasdesapareceram e dezenas de milhares foram presas e torturadas. Bustos representou a família do ex-ministro das RelaçõesExteriores Orlando Letelier, opositor de Pinochet que foi mortopor um carro-bomba em Washington, em 1976. O assassinato foirelacionado a autoridades militares do setor de inteligência dogoverno de Pinochet. Bustos morreu sem ter o apoio do Congresso para suaproposta de criar um instituto de direitos humanos parainvestigar o destino das milhares de pessoas desaparecidasdurante a ditadura. (Reportagem de Antonio de la Jara)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.