Mortes relacionadas ao narcotráfico diminuíram no México

Redução de mortes foi de 26% no primeiros três meses do ano na comparação com três meses anteriores

Efe

13 de abril de 2009 | 01h18


A violência do crime organizado no México deixou no primeiro trimestre deste ano 2.644 pessoas mortas, 26% menos que nos três meses anteriores, disse no domingo, 12, o porta-voz do governo para Segurança, Alejandro Rubido.

 

O funcionário disse que a violência das organizações criminais se deve a uma disputa pelas zonas de controle, de armazenagem, negócios e venda da droga, e pelo outro lado aos ajustes de contas internos entre grupos rivais.

No primeiro trimestre do ano em Chihuahua foram cometidos 625 homicídios, contra os 842 nos três meses anteriores, o que representa uma redução de 26%.

 

Em Cidade Juárez, entre janeiro e março de 2009 ocorreram 331 assassinatos, 39% menos que as 547 execuções criminais registradas entre outubro de dezembro do ano passado.

 

Em Baixa Califórnia houve uma queda de 79% do número de assassinatos, em comparação aos 108 casos do primeiro trimestre deste ano com os 515 do último trimestre do ano passado.

 

Sinaloa segue a mesma tendência no primeiro trimestre. Foram registradas 177 mortes violentas contra os 346 dos três meses anteriores, uma redução de 49%.

 

O porta-voz afirmou ainda que graças a luta mantida pelas autoridades nos últimos meses que se conseguiu prejudicar as estruturas operacionais dos diversos cartéis, em particular pela detenção de importantes líderes.

Tudo o que sabemos sobre:
narcotráficoMéxicomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.