EFE/ Stringer
EFE/ Stringer

MP da Bolívia pede seis meses de prisão para ex-presidente Jeanine Áñez

A solicitação inclui além de Áñez seus dois ex-ministros da Justiça e Energia, presos com ela no sábado, em uma investigação que alega golpe contra Evo Morales em 2019. A ex-presidente apela à ONU e UE para que enviem observadores ao país

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2021 | 21h17

O Ministério Público da Bolívia solicitou, neste domingo, seis meses de prisão para a ex-presidente interina Jeanine Áñez e dois de seus ministros, presos no sábado, 13, em uma investigação por um suposto golpe contra o ex-presidente Evo Morales em 2019.

Três promotores assinaram a acusação pela aplicação de “medidas cautelares que consistem em prisão preventiva [...] por um período de seis meses” nos presídios de La Paz, de acordo com o documento.  Neste momento, Áñez encontra-se detida em uma delegacia da capital boliviana.  

A ex-presidente interina foi presa na madrugada de sábado na cidade de Trinidad, capital do distrito de Beni, de onde foi transferida para a capital boliviana, onde aceitou seu direito ao silêncio perante o Ministério Público. Junto a seus ex-ministros Álvaro Coimbra (Justiça), e Rodrigo Guzmán (Energia), ela é acusada de crimes de “terrorismo e sedição” pelos acontecimentos de novembro de 2019 que levaram à renúncia do ex-presidente Evo Morales. 

A ordem de prisão foi dada no momento em que o partido governista Movimento ao Socialismo (MAS) exige um julgamento por golpe de Estado contra vários opositores e ex-líderes militares.  À televisão local ao chegar em um avião militar no aeroporto de La Paz sob forte escolta policial, Áñez declarou: “É um ultraje absoluto, eles nos acusam de ser cúmplices de um suposto golpe. Não há um grão de verdade nas acusações. É uma simples intimidação política. Não houve golpe. Eu participei de uma sucessão constitucional".


Em contato com a imprensa desde as celas da polícia onde aguarda sua audiência para medidas cautelares, ela ainda afirmou neste domingo que deveria ser processada em um julgamento de responsabilidade e não em um julgamento comum. “Tenho privilégios, goste Evo Morales ou não, e teria que ser acusado em tribunal”, disse a ex-presidente. Ánez reiterou que o atual governo pretende criminalizar a sucessão "constitucional" ocorrida em novembro de 2019 após as demissões das autoridades na altura e ratificou que não houve golpe de Estado.

Áñez afirmou ainda que tem fé em Deus e no povo boliviano para que a justiça não determine esse fato.  “Tenho o total apoio do povo, assim como todos nós defendemos nosso Estado de Direito e de todos nós que acreditamos na democracia. Não posso ter o apoio do MAS, porque eles desprezam a democracia ”, disse a ex-presidente interina.

A audiência das medidas cautelares contra ela e seus ex-ministros Álvaro Coímbra, da Justiça, e Rodrigo Guzmán, de Energias, estava marcada para hoje. 

O MP boliviano também pediu a detenção – a instituição conta com essa prerrogativa no país andino – do ex-comandante das Forças Armadas general William Kaliman e do ex-chefe da polícia Yuri Calderón por terem pedido então a renúncia de Evo. 

O general Kaliman e Calderón pediram publicamente a renúncia de Evo em novembro de 2019, quando o país enfrentava protestos que deixaram 36 mortos após denúncias de fraude nas eleições. A crise precipitou a renúncia de Evo, que tinha sido reeleito para um quarto mandato até 2025. 

Kaliman ainda não foi preso e Calderón não foi encontrado em sua casa para assumir sua defesa no julgamento por sedição e conspiração em que a ex-presidente também está sendo investigada.

 O atual ministro da Justiça, Iván Lima, e o presidente do Senado, Andrónico Rodríguez, declararam que a Justiça está agindo com independência do poder político e negaram perseguição política. "Nós não podemos interferir nos casos levados pelo Ministério Público e pela Justiça. São casos que eles devem tratar com objetividade e independência", afirmou Lima. 

Rodríguez reiterou, separadamente, a narrativa oficialista de que no final de 2019 houve um golpe de Estado e ressaltou que o que está acontecendo agora "não é perseguição, é justiça”, disse.

 

Classe política reage à prisão

Os ex-presidentes da Bolívia - o centrista Carlos Mesa (2003-2005) e o direitista Jorge Quiroga (2001-2002) - rejeitaram separadamente as prisões e ordens de prisão. Ambos foram atores-chave para a transição do governo de Morales para o de Áñez em 2019.

Por meio de carta enviada à ONU e à União Europeia, a ex-presidente interina apelou às organizações para que acompanhem o seu processo. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, pediu que políticos da Bolívia consolidem a paz no país e respeitem o devido processo legal, após a prisão da ex-presidente interina Jeanine Áñez, neste sábado (13).

O apelo foi reforçado pelo representante da União Europeia para assuntos exteriores, Josep Borrell, que no Twitter escreveu mensagem pedindo "diálogo e reconciliação". e que "as acusações pelo ocorrido em 2019 devem ser resolvidas com uma justiça transparente e sem pressões políticas"./ AFP e Reuters.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Evo MoralesBolívia [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.