Mulher grávida sobrevive depois de 60 horas sob escombros

Enfermeira estava sob escombros de hospital, mas se refugiou sob a cama e escapou; bebê passa bem

estadao.com.br,

16 de janeiro de 2010 | 08h47

Após ser resgatada, Jean Baptiste foi levada para hospital de emergência Foto: Jonne Roriz/AE

PORTO PRÍNCIPE - Jean Baptiste, uma mulher grávida de um mês, passou 60 horas soterrada sob os escombros. Ela era enfermeira e estava trabalhando em um hospital na hora do terremoto. Hoje, está em um centro de saúde de emergência da base militar brasileira no Haiti. Sua vida foi salva graças ao empenho de jornalistas, soldados e acima de tudo de seu marido e dela própria.

"Inteligente, ela se refugiou sob uma cama, que serviu como casulo", conta o marido.

As paredes caíam, mas ela não foi atingida, protegida pelo escudo improvisado. Mas as horas se passavam e nada do resgate. "Eu gritava e depois descansava para recuperar as forças", disse ao Estado, de seu colchão, com uma sonda improvisada sob uma tenda na base militar brasileira em Porto Príncipe. "Não queria perder minhas forças", acrescentou, com a voz firme, quatro horas após ter sido retirada do hospital destruído. "Eu pensava que, se fosse para morrer, teria morrido na hora do terremoto."  

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

Esperança

 

Quando ocorreu o tremor de 7 graus na escala Richter, seu marido, que é policial, correu para o hospital. "Senti, sabia que ela estaria viva", disse. "Fiquei batendo com o martelo, até que consegui ouvir os gritos dela."  Já haviam passado mais de 50 horas do momento do terremoto e chances de encontrar um sobrevivente eram pequenas, segundo as equipes de resgate.

Nesse momento, passou pelo local uma patrulha do Exército, acompanhada por jornalistas brasileiros.A repórter Lilia Teles, da Rede Globo, viu o marido de Jean Baptiste gritando, ao lado de dezenas de outros haitianos, que acenavam a quem passava. Ela achou estranho, pois o desespero do grupo parecia diferente, e pediu que os soldados parassem a viatura.

Os militares brasileiros desceram e foram até os escombros, onde tentaram escutar algum barulho. Pediram silêncio ao grupo que tentava fazer o resgate. Então foi possível ouvir a voz da mulher. "Você está bem?", perguntou o soldado brasileiro, em inglês. A mulher respondeu que sim. Em seguida, por uma fresta, a surpresa: o soldado sentiu a mão de Jean Baptiste. Viu que mantinha a força e estava consciente. Depois, a imagem da cabeça dela apareceu. Os soldados brasileiros começaram então a escavar. Depois de horas, ela era levada viva e em boas condições para a base militar brasileira.

 

Louco de felicidade

 

"Não acredito até agora. Acho que estou em um sonho. Só sinto a perna um pouco anestesiada", disse a sobrevivente. O marido disse ter ficado "louco de felicidade" quando viu o rosto da mulher. A história de Jean Baptiste é uma das que tiveram um final feliz em Porto Príncipe.

 

Agora, só falta avisar os outros dois filhos, que estão no interior do país. Até a noite de sexta-feira, eles ainda choravam pela morte da mãe.

 

Mais do que isso, saberão também que não perderam o futuro irmãozinho, pois o feto continua saudável. No entanto, só ficarão sabendo das boas notícias quando os celulares voltarem a funcionar normalmente.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Haitisobreviventesterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.