Na Argentina, 31 pessoas morrem em incêndio em presídio

Após tentativa frustrada de fuga, detentos colocam fogo em um dos pavilhões

Associated Press e Efe,

05 de novembro de 2007 | 05h47

Segundo fontes policiais, 31 detentos morreram num incêndio proposital em um presídio da capital da província de Santiago del Estero, a 1.150 quilômetros ao noroeste de Buenos Aires, nesta segunda-feira, 5.  Fontes da penitenciária asseguraram que o incêndio aconteceu de maneira proposital em um dos pavilhões da Prisão de Homens de Santiago del Estero, após uma frustrada tentativa de fuga de alguns internos. O ministro da Justiça da província, Ricardo Daives, informou que 29 internos tinham morrido. Porta-vozes do sistema de saúde do distrito indicaram que outras duas pessoas perderam a vida queimadas após um motim. Autoridades do presídio cortaram o fornecimento de energia e de água em todo o local, que possui cerca de 460 reclusos. Nos arredores do presídio centenas de familiares dos detentos reivindicavam informação sobre as vítimas. "Tratou-se de um motim com uma tentativa de fuga que começou no pavilhão 2, onde havia 42 internos", afirmou Rodolfo Camaño, diretor da penitenciária, que acrescentou que nenhum deles conseguiu fugir. O incêndio começou por volta das 19 horas (horário local) do domingo, 4, quando presos de dois pavilhões queimaram colchões dentro das celas como medida de protesto.Fontes consultadas pela Efe afirmaram que houve um confronto, nos arredores do local, entre familiares dos presos e a polícia, que respondeu com disparos de balas de borracha. A equipe que presta assistência no local transferiu a centros assistenciais cerca de dez familiares de detentos que sofreram crises nervosas quando ficaram sabendo que seus parentes tinham morrido.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinaincêndiopresídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.