Na Guatemala, Uribe volta a dizer que Farc são 'terroristas'

Colombiano se reuniu com a secretária de Estado de Relações Exteriores da França

Efe,

15 de janeiro de 2008 | 05h30

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) são um grupo "terrorista" que "seqüestra, recruta e maltrata" a população civil, reafirmou na Guatemala o presidente colombiano, Álvaro Uribe. Uribe, que foi à posse do novo presidente da Guatemala, Álvaro Colom, respondeu assim à iniciativa do governante da Venezuela, Hugo Chávez, de reconhecer o caráter de insurgente da guerrilha. Em nenhum momento o colombiano mencionou a proposta de Chávez, que recentemente intermediou na libertação de duas reféns das Farc, Clara Rojas e Consuelo González. Mas ressaltou que "o aspecto humanitário não pode excluir a segurança". A Colômbia defende "a democracia, não a ditadura" e espera o apoio da comunidade internacional e a rejeição a todos os grupos violentos, declarou. Uribe falou à imprensa depois de se reunir a portas fechadas com a secretária de Estado de Relações Exteriores da França, Rama Yade. Ela entregou ao governante colombiano uma carta do presidente francês, Nicolas Sarkozy, que demonstrou seu interesse de resolver a situação dos seqüestrados pelas Farc. Entre os reféns está a política colombiana de origem francesa Ingrid Betancourt. Yade declarou anteriormente que aproveitou sua viagem à Guatemala para promover a "gestão humanitária" do governo francês a favor dos reféns. "No momento em que a paz avançar, eu seria o primeiro a deixar de chamar as Farc de terroristas e pedir ao mundo que fizesse isso como uma contribuição à paz", afirmou Uribe. Segundo o governante colombiano, as Farc "seqüestram, recrutam e maltratam a população civil, atentam contra mulheres grávidas, contra idosos e menores e lançam bombas" indiscriminadamente. Além disso, lembrou, o tráfico de drogas é o "principal sustento de sua atividade violenta". O único caminho de encontro com a guerrilha, acrescentou, é com a intermediação da Igreja.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.