Nas vésperas das eleições, governo Chávez faz denúncias de 'sabotagem'

Ministros culpam sabotadores por cortes de energia e falha no metrô; oposição ridiculariza chavistas

AP,

21 de setembro de 2010 | 20h51

CARACAS- Há poucos dias das eleições legislativas no país, funcionários do governo venezuelano afirmam que uma parada repentina do metrô, a explosão em uma siderúrgica estatal e uma série de cortes de energia elétrica podem ter sido causados por sabotagem.

 

Veja também:

link'Vamos demolir a burguesia', diz Chávez sobre eleições na Venezuela

especial Infográfico: Raio X das eleições na Venezuela

 

Os líderes da oposição, por sua vez, ridicularizam o governo, afirmando que as acusações são uma farsa e fazem parte de um teatro político destinado a distrair a atenção da população da ineficiência do governo e de problemas como os serviços públicos antes do pleito do próximo domingo.

 

Autoridades do governo do presidente Hugo Chávez não apresentaram nenhuma prova para embasar suas denúncias, e ninguém foi preso. No entanto, "sabotagem" é uma palavra que está na moda entre os chavistas nas últimas semanas em momentos em que as empresas estatais de eletricidade e outras companhias governamentais enfrentam problemas.

 

"Estamos em alerta vermelho diante da sabotagem", disse Edinson Alvarado, secretário-geral do Sindicato de Trabalhadores do Metrô de Caracas dias depois de uma falha elétrica ter obrigado a suspensão do serviço durante quase um dia inteiro.

 

O ministro de Indústria e Mineração, José Khan, disse que as investigações sugerem que uma explosão que ocorreu na segunda em uma das usinas da estatal Ferrominera del Orinoco, a principal produtora de ferro do país, e matou um trabalhador, foram causadas provavelmente por sabotagem.

 

Em um incidente há duas semanas, Khan afirmou que "agentes desconhecidos" cortaram o cabo elétrico que alimentava uma linha da usina de produção, o que causou um fechamento temporário.

 

"É gente que sabe o que faz", acrescentou o ministro, acrescentando que a suspeita faz parte de "uma campanha de desmoralização para desprestigiar as empresas" estatais.

 

O ministro de Energia Elétrica, Alí Rodríguez, também declarou que as autoridades suspeitam que sabotadores estão por trás dos apagões que estão atingindo vários estados, e cogitou que empregados das empresas elétricas podem estar envolvidos.

 

Chávez também mencionou a sabotagem em recentes apagões e instou os trabalhadores e proteger as instalações elétricas. Segundo o governante, as ações poderiam estar programadas para minar a vitória de membros da sua legenda, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), nas eleições de domingo.

 

Oposição

 

Os líderes da oposição defendem que Chávez está tentando esconder a ineficiência de seu governo ao colocar a culpa em supostos sabotadores.

 

"O fato é que há falta de manutenção" nas empresas controladas pelo estado, disse Iván Olivares, candidato a deputado pela oposição, à Associated Press.

 

Rodríguez anunciou um plano de contingência nesta semana para evitar mais cortes de luz, que incluem a mobilização de soldados para proteger as usinas elétricas, assim como os equipamentos de muitos centros de votação, tais como geradores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.