Nasce filha de mineiro preso no Chile

Pais resolveram batizá-la de Esperanza após acidente em mina no Atacama

AP,

14 de setembro de 2010 | 16h59

Esperanza nasceu com 3 kg e 49 centímetros. Foto: Esteban Gonzalez/AP

COPIAPO = A filha de um dos 33 trabalhadores presos em uma mina no deserto do Atacama, no Chile, desde o dia 5 de agosto nasceu na última terça-feira, 13. Ela foi batizada de Esperanza (esperança, em português).

Veja também:

especialInfográfico: animação mostra como será o resgate

especialLinha do tempo: os piores acidentes da década

A menina nasceu de uma cesariana, com 3 kg e 49 centímetros. O nome da filha do casal Ariel Tiscona e Elizabeth Segovia , que seria Carolina, foi mudado após o acidente.

Em um vídeochat gravado do abrigo onde está preso, o pai pediu a um parente que dissesse a mulher para descansar antes do parto. "Diga a ela também para mudar o nome da nossa filha", disse, enquanto seus companheiros gritaram "Batizem-na de Esperanza".

A mãe da criança disse em entrevista ter pensado a mesma coisa. "Ele pensou lá e eu pensei nisso aqui em casa.| Ela se chamaria Carolina Elizabeth, mas agora se chamará Esperanza Elizabeth", afirmou ao Canal 13 antes do parto.

O parto foi gravado e fotografado e as imagens devem ser enviadas ao pai, que havia prometido à esposa que iria ao nascimento da menina.

Os 33 mineiros sobreviveram por 19 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas.

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso à água e canais de ventilação.

O resgate está sendo por duas perfuradoras. Andres Sougarret, chefe da operação, afirmou que o período para abrir um túnel largo o bastante para a passagem segura dos homens pode levar até quatro meses.

Tudo o que sabemos sobre:
mineiros presos no ChileChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.