Negociação com Colômbia 'poderia ter sido melhor', dizem EUA

Assessor garantiu que acordo para uso de bases militares prevê somente a luta contra o narcotráfico

Efe,

05 de agosto de 2009 | 17h57

O general reformado James Jones, assessor do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, admitiu nesta quarta-feira, 5, no Brasil que a negociação para o uso de bases militares colombianas por parte de tropas de seu país "poderia ter sido melhor".

 

Veja também:

linkUribe chega a Buenos Aires; Chile respeita decisão colombiana

link Colômbia vai ceder 7 bases aos EUA

link Instalações já vinham sendo utilizadas por americanos, diz senador

 

link Para Ricupero, País foi ''megalomaníaco''

link Brasil não aceita versão dos EUA sobre bases

 

Jones, que se reuniu hoje com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, insistiu em que o acordo negociado com a Colômbia prevê somente a luta contra o narcotráfico e garantiu que não porá em risco a soberania de nenhum país da região.

 

O general assegurou a jornalistas que os EUA "respeitam a soberania territorial de cada país" e tentam se relacionar com a América Latina "de uma maneira nova, aberta e transparente".

 

No entanto, admitiu que o acordo discutido com a Colômbia, que suscitou polêmicas na região, "provavelmente poderia ter sido melhor", uma opinião que escutou das autoridades brasileiras e que levará para Washington.

 

Jones lembrou que a relação no âmbito militar com a Colômbia "já tem muito tempo" e assegurou que "nada mudou" e nem mudará com o acordo atualmente em negociação, que permitiria o uso de até sete bases militares em solo colombiano pelos EUA para a luta contra o terrorismo e o narcotráfico.

 

O assessor do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também ressaltou que seu país "não tem bases na Colômbia" e nem as terá com esse acordo. Além disso, insistiu em que as negociações são sobre o uso delas para ações contra o tráfico de drogas.

 

As conversas sobre este acordo com os EUA foram um dos motivos que levaram o presidente venezuelano, Hugo Chávez, a "congelar" as relações de seu país com a Colômbia e retirar a todo o pessoal diplomático venezuelano de Bogotá.

 

Segundo fontes oficiais, o ministro Amorim reiterou em sua reunião com Jones a "preocupação" que a possível presença de tropas estrangeiras na Colômbia causou no Brasil.

 

Amorim também sugeriu a possibilidade de que EUA e Colômbia ofereçam algum tipo de "garantia formal" sobre o uso que será dado às bases.

 

O chefe de Estado colombiano, Álvaro Uribe, faz uma viagem por diversos países da América do Sul para explicar as negociações com os EUA. Ele deve chegar amanhã a Brasília, onde será recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.