Néstor Kirchner lamenta atritos entre Colômbia e Venezuela

BUENOS AIRES - O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), o argentino Néstor Kirchner, lamentou neste sábado, 24, as tensões entre Colômbia e Venezuela, que culminaram na ruptura das relações bilaterais.

Efe,

25 de julho de 2010 | 02h35

 

Para Kirchner, ex-presidente da Argentina (2003-2007), "dói que dois países latino-americanos" como Venezuela e Colômbia "tenham este nível de confronto".

 

"Vamos trabalhar para que possamos reunir os governos e não afetar a profunda relação entre os povos", ressaltou o secretário-geral, numa cerimônia na província argentina Santiago del Estero, ao lado da esposa, a atual governante Cristina Kirchner.

 

O secretário-geral da Unasul receberá na próxima segunda-feira, 26, em Buenos Aires o presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, em meio ao conflito entre Caracas e Bogotá.

 

Néstor Kirchner e Santos discutirão a "grave crise" entre os dois países, na qual o argentino colabora como mediador, afirmaram porta-vozes oficiais à agência estatal Telam.

 

No dia 5 de agosto, Kirchner se reunirá com o líder venezuelano, Hugo Chávez, em Caracas, quando também conversará sobre os atritos na América do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaVenezuelaUnasulKirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.