Neto da líder do grupo Avós da Praça de Maio se emociona após recuperar identidade

O neto de Estela de Carlotto, a presidente do movimento Avós da Praça de Maio, disse nesta sexta-feira que ainda está emocionado após descobrir, nesta semana, aos 36 anos de idade, sua verdadeira identidade como filho de desaparecidos na ditadura.

REUTERS

08 de agosto de 2014 | 20h13

Ignacio Hurban, que até terça-feira não sabia que era Guido Montoya Carlotto, o neto da mulher que há décadas lidera a busca de crianças sequestradas na última ditadura, está emocionado, mas ainda confuso após a notícia.

Em uma entrevista coletiva concedida em Buenos Aires junto à sua avó, Hurban disse que a sua vida está "bastante convulsionada".

"Estou um pouco emocionado... parece maravilhoso e mágico tudo isso que está acontecendo. Estou aproveitando, mas o que eu mais gosto é a felicidade dos demais", disse o 114º neto recuperado pelo grupo social Avós da Praça de Maio.

O neto de Carlotto nasceu durante o cativeiro de sua mãe em um centro prisional clandestino em junho de 1978, foi recolhido poucas horas depois de nascer e recebeu outra identidade. Sua mãe foi assassinada pelos repressores.

Apesar de dizer que prefere a verdade acima de tudo, Hurban (ou Montoya Carlotto) destacou que gostaria de manter o único nome que tinha até esta semana.

"Estou acostumado com meu nome Ignacio e vou continuar conservando ele", afirmou.

A ditadura militar que governou o país entre 1976 e 1983 sequestrou, torturou e assassinou cerca de 30 mil pessoas, segundo organizações de direitos humanos.

Segundo o movimento Avós da Praça de Maio, ainda há quase 400 filhos de desaparecidos sem saber a sua verdadeira identidade.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINADITADURANETO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.