No Haiti, Hillary defende mais poderes a Prèval e aos EUA

No Haiti, Secretária de Estado diz que algumas medidas poderiam ser delegadas para debelar caos humanitário

estadao.com.br,

16 de janeiro de 2010 | 18h20

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, chegou neste sábado, 16, ao Haiti, para discutir com o presidente haitiano, René Préval, a assistência financeira internacional e os planos para a reconstrução do país.

Reação internacional:

linkGoverno brasileiro já estuda reforço das tropas no Haiti

link Obama anuncia fundo coordenado por Bush e Clinton

linkPara analistas, Obama tenta superar lições do Katrina

De acordo com ela, a ajuda poderia chegar de forma mais rápida se o Parlamento aprovar um decreto que dê mais poderes a Prèval, alguns dos quais poderiam ser delegados aos EUA, como por exemplo o poder de decretar toque de recolher. "Um decreto daria ao governo uma autoridade enorme, a qual, na prática, eles delegariam para nós", disse ao "The New York Times".

 

Segundo a chefe do Departamento de Estado,  governo haitiano também busca se recuperar do terremoto e deu aos EUA liberdade de ação para trabalhar.

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

Hillary, que conversou com jornalistas no voo, reafirmou que os esforços de ajuda dos EUA estavam sendo coordenados com o governo do Haiti e com a ONU.

 

 "Estamos trabalhando para respaldá-los, não para substituí-los", disse. Ainda de acordo com a secretária de Estado, a força da ONU liderada pelo Brasil está mais familiarizada com a situação local.

Antes de embarcar, Hillary disse que pretende ver pessoalmente a devastação provocada pelo terremoto. A chefe da diplomacia americana também afirmou que quer saber como as equipes de busca e os militares norte-americanos estão trabalhando no país caribenho.

Hillary tomou a decisão de ir ao Haiti depois de dois dias de intensas reuniões de emergência no Departamento de Estado e na Casa Branca. O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, também viaja com ela.

Com informações da Reuters e da Efe

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.