Danny Alveal/Efe
Danny Alveal/Efe

Normalidade prevalece no segundo turno das eleições chilenas

Mais de 8 milhões de eleitores escolhem neste domingo o sucessor de Michelle Bachelet na presidência

Efe,

17 de janeiro de 2010 | 13h06

O Governo do Chile destacou neste domingo, 17, a "completa normalidade" no início do segundo turno das eleições presidenciais, que está sendo disputado por Eduardo Frei, da situação, e Sebastián Piñera, da oposição.

 

Às 9h (10h de Brasília), duas horas após a abertura oficial das seções, 33.593 (97,8%) das 34.348 mesas de votação funcionavam normalmente.

 

O país está "em completa normalidade, o acesso aos locais de votação foi rápido durante toda a manhã", disse à imprensa o subsecretário de Interior, Patrício Rosende, segundo quem foram "registrados incidentes menores que não alteraram o processo".

 

Quase 8,3 milhões de eleitores escolherão neste domingo quem vai suceder a socialista Michelle Bachelet na Presidência.

 

No primeiro turno, disputado em 13 de dezembro, Piñera foi o grande vencedor, com 44,03% dos votos. Já o ex-presidente Frei foi o segundo, com o apoio de 29,6% do eleitorado.

 

"Tempos melhores"

 

O candidato opositor à Presidência do Chile, o empresário de direita Sebastián Piñera, disse, após votar, que "hoje vai ser um grande dia para os chilenos e chilenas".

 

"Esta noite vamos ter uma grande vitória e a celebraremos como fazem os democratas: com alegria, união e tranquilidade", disse Piñera, que chegou a um colégio eleitoral da capital chilena acompanhado da mulher, Cecilia Morel.

 

Quando o empresário ia embora, seus eleitores começaram a discutir com os seguidores de Frei. No fim, a Polícia interveio e impediu que a situação fugisse do controle. Sorridente, Piñera pediu aos chilenos "que votem segundo sua consciência, em paz e com tranquilidade, porque este dia é uma festa da democracia".

 

"Preparem os corações, porque tempos melhores virão", afirmou o candidato. "Espero que todos os chilenos e chilenas se sintam hoje mais orgulhosos que nunca de nossa democracia e desse país maravilhoso que Deus nos deu de presente", acrescentou.

 

"Capacidade democrática"

 

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, votou neste domingo, no segundo turno das eleições presidenciais do país, em um colégio de Santiago, onde incentivou os eleitores a irem às urnas cedo e a aguardarem os resultados "com tranquilidade", em "mais uma prova da capacidade democrática e cívica" do país.

 

Bachelet disse ainda que assim que for definido o vencedor do pleito, vai parabenizar o chefe de Estado eleito e se reunir com ele, cumprindo uma "tradição republicana" instalada no Chile desde o retorno da democracia, em 1990.

 

"Não vai haver nenhuma diferença", declarou quando perguntada se faria alguma distinção no tratamento dependendo de quem vença as eleições.

 

A presidente, que entregará o cargo em 11 de março, foi votar acompanhada da mãe, Ángela Jeria, a pé, em um local perto de casa. "Estou convencida de que esta jornada transcorrerá, como sempre acontece no Chile, com normalidade e tranquilidade", declarou ela ao deixar o colégio eleitoral, onde se amontoaram dezenas de simpatizantes e jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.