'Nosso país nunca precisou de tanta ajuda', diz haitiano da OEA

Embaixador do país na organização flaou em dezenas de milhares de vítimas e pediu ajuda aos outros países

Efe,

13 de janeiro de 2010 | 15h01

O embaixador do Haiti na Organização dos Estados Americanos (OEA), Duly Brutus, falou sobre dezenas de milhares de vítimas nesta quarta-feira, 13, após o terremoto de 7 graus na escala Richter que assolou o país, e pediu ajuda à comunidade internacional.

 

Veja também:

 link Comunidade internacional se mobiliza para enviar ajuda

linkCruz Vermelha: até 3 milhões foram afetados por tremor

linkBrasil envia US$ 10 milhões em ajuda; Jobim vai ao Haiti

 

"Nunca nosso país precisou tanto da ajuda da comunidade internacional", disse Brutus, perante o Conselho Permanente da OEA, que incluiu em sua ordem do dia a situação do Haiti, para estudar como ajudar o país. O embaixador, que não se arriscou a prever um possível número de vítimas fatais, disse que "morreram membros civis e militares, ou sabe-se que desapareceram".

 

Brutus agradeceu aos Governos americano, venezuelano, colombiano e dominicano, que tomaram medidas para enviar tropas e pessoal civil ao Haiti. "Os primeiros apoios para atender as dezenas de milhares de vítimas começaram a chegar, sabemos que muitos edifícios públicos como o palácio nacional, o legislativo e de justiça, assim como hospitais e a catedral, ficaram seriamente danificados", disse.

 

VEJA TAMBÉM:
mais imagens  Veja galeria de fotos do terremoto
especial Os piores terremotos na América Latina
especial Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão da tragédia na web
som Representante da OEA fala do tremor
som Sismólogo alerta para novos tremores
lista Leia tudo que já foi publicado

 

Por isso, Brutus fez uma chamada para ajudar o povo haitiano e, "fazer o possível para salvar milhares de pessoas vivas que estão sob os escombros". Em particular, referiu-se à necessidade de distribuir água potável e remédios a um número elevado de pessoas "neste momento de tanta desgraça".

 

O embaixador disse que este terremoto é um dos piores embates da natureza já sofridos pelo país, já que mais de dois terços de Porto Príncipe foram afetados.

 

OEA

 

Os representantes permanentes na OEA expressaram sua solidariedade ao Governo haitiano e fizeram um minuto de silêncio ao início da reunião, na qual avaliarão como enfocar a ajuda ao país.

 

O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, lamentou que o "sofrimento do povo haitiano pareça não ter fim" e defendeu canalizar ordenadamente a ajuda e a assistência necessária entre os organismos internacionais, para que o Haiti possa sair desta situação.

 

Insulza disse que estão trabalhando em dois tipos de tarefa - a ajuda direta e a coordenação com organizações, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Fundação Pan-americana de Desenvolvimento e outros órgãos das Nações Unidas. O Conselho continua e o secretário-geral adjunto da OEA, Albert Ramdin, convocou uma reunião do Grupo de Amigos do Haiti às 15h (18h de Brasília).

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremoto no Haititerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.