Novo presidente da Colômbia promete mão dura contra as Farc

Juan Manuel Santos foi ministro da Defesa de Uribe e autor dos golpes mais duros contra a guerrilha das Farc em seus mais de 45 anos de história

da EFE

20 de junho de 2010 | 22h47

BOGOTÁ - O presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse hoje que se "esgotou o tempo para as Farc" e anunciou que a partir do dia 7 de agosto, quando tomará posse, será mais contundente na luta contra as guerrilhas e os narcotraficantes.

 

"Que os terroristas ouçam e que o mundo ouça, esgotou-se o tempo das Farc. A Colômbia está saindo de seu pesadelo do sequestro e da violência; enquanto insistirem em seus métodos terroristas, enquanto insistirem em atacar o povo colombiano não haverá diálogo e continuaremos as enfrentando com toda a dureza, com toda a firmeza", exclamou Santos perante milhares de seguidores.

 

Aquele que foi ministro da Defesa de Uribe e artífice dos golpes mais duros contra a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em seus mais de 45 anos de história prometeu fazer tudo o que estiver em sua mão para acabar com esse flagelo.

 

"Fomos contundentes contra os terroristas e contra os narcotraficantes e o seremos mais ainda, daqui exigimos que libertem todos os sequestrados em seu poder", disse.

 

Mesmo assim, anunciou que em seu Governo "seguirão abertas as portas de reinserção para aqueles guerrilheiros que abandonarem as fileiras do terrorismo e queiram retornar à sociedade".

 

Como ministro da Defesa, Santos projetou e executou algumas das operações-chave que conseguiram debilitar as Farc como nunca antes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.