Novo presidente de Honduras responde ameaças de Chávez

Após líder venezuelano ameaça entrar em guerra, Micheletti diz que Exército hondurenho está preparado

29 de junho de 2009 | 08h42

O novo presidente de Honduras, Roberto Micheletti, respondeu nesta segunda-feira, 29, ao líder venezuelano, Hugo Chávez, que não o ameace e afirmou que o Exército de Honduras está preparado para uma agressão. "Vejo com muita preocupação o que ele (Chávez) diz sem nem sequer uma reflexão (...), que não venha este cavalheiro a nos ameaçar", disse o governante nomeado pelo Congresso Nacional em substituição ao destituído José Manuel Zelaya, em declarações a uma rede de televisão local.

 

Veja também:

linkBrasil não reconhece novo governo em Honduras, diz Lula

linkNa Nicarágua, Zelaya conta como foi destituído

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

som Podcast: Professor da Unesp analisa Golpe de Estado em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

linkPresidente interino de Honduras declara toque de recolher

linkONU vai discutir crise de Honduras

linkPresidente deposto pega avião cedido por Chávez

linkCongresso destitui Zelaya e nomeia novo presidente

linkOEA aprova resolução contra militar em Honduras 

 

Chávez declarou no domingo que colocou as Forças Armadas de seu país em alerta por causa do golpe que derrubou Zelaya. Em seu programa Alô, Presidente!, Chávez ameaçou entrar em guerra com Honduras se a Embaixada de seu país em Tegucigalpa for invadida e disse que não reconhecerá outro presidente hondurenho que não seja Zelaya. "Temos entendido que estão preparando algumas equipes, batalhões dizem, para vir aqui, mas eu estou totalmente seguro de nosso Exército se acaso isso pudesse acontecer", disse, sem dar mais detalhes sobre o suposto movimento militar.

 

O novo presidente hondurenho fez um apelo aos países da América Latina "para que tenham consideração" por seu governo, porque, disse: "Nós não batemos na Constituição da República". Ele assinalou que nesta segunda-feira não terá inconveniente em se reunir e explicar aos representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA) e das Nações Unidas (ONU) que devem chegar a Honduras as razões para a mudança de Governo no país. "Aqui não se derramou uma gota de sangue", afirmou, ao insistir em que o que aconteceu em Honduras é uma "sucessão constitucional".

 

Zelaya e Chávez são aliados políticos. Honduras integra a Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), idealizada por Chávez, que convocou para esta segunda uma reunião de emergência da Alba na Nicarágua. Zelaya partiu a Manágua num avião cedido por Chávez. Ao chegar na Nicarágua, o venezuelano adiantou o tom da reunião: "Faremos o que tiver de ser feito para recolocá-lo no governo. Não permitiremos mais gorilas neste continente". "Estamos diante de um golpe troglodita contra um povo e seu presidente", completou Chávez.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.