Obama anuncia fundo coordenado por Bush e Clinton para Haiti

Objetivo é garantir que recursos privados cheguem rápido e sejam bem utilizados em país devastado por tremor

estadao.com.br,

16 de janeiro de 2010 | 14h25

Bush, Obama e Clinton fazem o anúncio do novo fundo na Casa Branca. Foto: Larry Downing/Reuters

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou neste sábado, 16, a criação de um "Fundo Bush-Clinton", para coordenar o envio rápido e seguro da ajuda humanitária de pessoas físicas e jurídicas ao Haiti.

A tragédia no Haiti:

blog Gustavo Chacra: Haitianos tentam manter a honra intacta

linkApós caos logístico, ajuda começa a fluir

link Equipes humanitárias enfrentam precariedade

link Desafio é fazer ajuda funcionar, diz Médicos Sem Fronteiras

Obama fez as declarações após reunir-se na Casa Branca com os ex-presidentes do país George W. Bush e Bill Clinton. O encontro teve como objetivo buscar soluções para atender a demanda do país fortemente atingido por um terremoto no último dia 12, que deixou ao menos 40 mil mortos, 250 mil feridos e 1,5 milhão de desabrigado, segundo o governo local.

 

Segundo Obama, os ex-presidentes terão a tarefa de incentivar as contribuições de pessoas físicas, corporações, ONGs e outras instituições que desejem colaborar com o Haiti. O presidente americano explicou que este esforço é similar ao que George W. Bush fez com George Bush e o próprio Clinton após o tsunami que atingiu a Ásia em 2004.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

O ex-presidente George W. Bush disse que o melhor jeito de os EUA colaborarem com o Haiti é "enviando dinheiro". Bush reconheceu que há gente que quer mandar cobertores e alimentos, mas insistiu em que "enviem dinheiro, porque as organizações no terreno saberão usá-lo sabiamente".

 

Segundo o antecessor de Obama, os "desafios são imensos", mas há "muita gente dedicada" a ajudar nos trabalhos de resgate e expressou sua confiança em que o povo do Haiti "se recuperará e conseguirá se Reconstruir".

 

Bill Clinton destacou "a extraordinária resposta do Governo dos EUA" a esta crise e lembrou que, embora por enquanto o envio de água, alimentos, remédios e o estabelecimento de albergues seja mais urgente, o compromisso americano com a recuperação será a "longo Prazo".

 

Clinton é há quase dois anos o enviado especial das Nações Unidas para o Haiti e disse se sentir "especialmente afetado" pela situação.

 

Ajuda privada

 

Diversas empresas privadas e celebridades já anunciaram doações para as vítimas da tragédia no Haiti. A modelo brasileira Gisele Bündchen vai dar US$ 1,5 milhão. O casal Angelina Jolie e Brad Pitt anunciou uma doação de US$ 1 milhão, assim como a atriz Sandra Bullock. Madonna destinou US$ 250 mil.

Das companhias americanas, o Citigroup vai doar US$ 2 milhões, e o JP Morgan Chase, o Morgan Stanley e o Bank of America vão dar US$ 1 milhão cada.

A MTV anunciou a organização de um Teleton na semana que vem, apresentado pelo ator George Clooney para mobilizar doações. 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAHaitiObamaClintonBush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.