Jim Young/Reuters
Jim Young/Reuters

Obama promete ajuda ao Haiti e pede colaboração mundial

Intervenção dos EUA no país será 'rápida, enérgica e coordenada'; presidente classificou tragédia como 'cruel'

estadao.com.br,

13 de janeiro de 2010 | 13h30

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que a ajuda ao terremoto no Haiti deve ser um esforço internacional e prometeu fazer todo o possível para amenizar a tragédia, que classificou como "cruel e incompreensível".

 

Veja também:

linkComunidade internacional se mobiliza para enviar ajuda

linkCruz Vermelha: até 3 milhões foram afetados por tremor

linkBrasil envia US$ 10 milhões em ajuda; Jobim vai ao Haiti 

 

 

Em discurso na Casa Branca nesta quarta-feira, 13, o presidente disse que já mobilizou recursos para ajudar o país enquanto o governo tenta estabilizar a situação dos americanos que estavam no Haiti no momento do desastre. Obama ainda disse que as imagens do terremoto são de cortar o coração e que os próximos dias da tragédia serão difíceis.

 

O presidente disse que designou o diretor da Agência Internacional para o Desenvolvimento, Raviv Shah, para coordenar os esforços americanos e pediu a todas as nações que ajudassem os haitianos.

 

Segundo Obama, a intervenção dos EUA na situação no país será "rápida, coordenada e enérgica" e visa a salvar vidas. Equipes de busca e resgate já partiram para o país centro-americano e devem chegar ainda nesta quarta.

 

VEJA TAMBÉM:
especial Os piores terremotos na América Latina
especial Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão da tragédia na web
som Representante da OEA fala do tremor
som Sismólogo alerta para novos tremores
lista Leia tudo que já foi publicado

O Exército americano vai mandar aviões em missões de reconhecimento para avaliar a extensão dos danos causados pelo terremoto, informou o Pentágono. A secretaria de Defesa avalia enviar forças navais e terrestres para o país para ajudar nas buscas por sobreviventes.

 

Os Estados Unidos vão enviar o primeiro destacamento de ajuda humanitária ao Haiti após o terremoto de hoje, composto por 72 pessoas, seis equipes de rastreamento canino e 48 toneladas de material de resgate.

 

A Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, sigla em inglês) informou em comunicado que o pessoal, procedente de

Los Angeles (Califórnia) e Fairfax (Virgínia), irá acompanhado. Além disso, de especialistas em desastres naturais para avaliar a situação do Haiti.

 

A equipe está formada, em geral, por bombeiros, paramédicos, especialistas em resgate, médicos de urgência, engenheiros estruturais, técnicos em materiais perigosos, cachorros de busca e

adestradores, assim como especialistas em comunicações e em logística.

 

Militares

 

O Pentágono informou que avalia "seriamente" o envio de tropas americanas ao Haiti para garantir a segurança do país. O general Douglas Fraser, comandante do Comando Sul do Pentágono, responsável pelas atividades militares na América Latina, disse que seu país avalia com a ONU a necessidade de reforços americanos à força internacional que está no Haiti, comandada pelo Brasil.

 

"Estudamos o tema seriamente", disse o general, o qual enfatizou que manter a segurança é uma preocupação "significativa".

Com informações da AP, Efe  e da Reuters

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.