Obama testa promessas em reunião com assessores econômicos

Considerado pelo eleitorado como melhor opção para a crise, presidente eleito concede 1ª coletiva nesta sexta

Reuters e Efe,

07 de novembro de 2008 | 07h43

O presidente eleito dos Estados Unidos Barack Obama verá suas promessas de campanha colocadas a teste nesta sexta-feira, 7, quando se reúne com assessores econômicos para discutir sua transição para a Casa Branca. O democrata também concederá sua primeira entrevista coletiva como presidente eleito, a partir das 16h30 (horário de Brasília).   Veja também: Obama nomeia deputado para transição  Nomes cotados para o gabinete de ObamaEspecial: Quem são os eleitores de Obama   Especial: Festa por mudança  Veja discurso de Obama no Youtube (Parte 1)  Veja discurso de Obama no Youtube (Parte 2)  Veja o perfil do novo presidente Trajetória de Obama  Estadao.com.br na terra dos Obamas Diário de bordo da viagem ao Quênia  Veja a apuração das eleições Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Obama, que conquistou uma vitória histórica na eleição de terça-feira em parte por conta de sua promessa de revitalizar a economia dos EUA, indicou um conselho consultivo de 17 pessoas para a transição a fim de ajudá-lo a decidir quem colocar no gabinete e como implementar as promessas de campanha. O conselho inclui os ex-secretários de Tesouro Robert Rubin e Lawrence Summers, o ex-secretário de Trabalho Robert Reich, o chairman do Google Eric Schmidt, o ex-chairman do Federal Reserve Paul Volcker e o bilionário Warren Buffett. Após a reunião, Obama falará à imprensa pela primeira vez desde a histórica vitória eleitoral da terça-feira, que o tornará o primeiro negro presidente dos Estados Unidos quando tomar posse em 20 de janeiro.   Além da economia, Obama deve enfrentar perguntas em outras áreas, como quem indicará para postos-chave do gabinete e outros aspectos da transição. O mercado acompanha de perto a escolha de Obama para secretário do Tesouro. Entre os principais candidatos para o posto estão Timothy Geithner, Summers e Volcker. Uma pesquisa feita pela Reuters junto a economistas mostrou que 26 dos 48 entrevistados acreditavam que Geithner será o escolhido. Summers veio em segundo com 14 votos. O novo chefe do Tesouro dos EUA será responsável por gerenciar o programa de resgate econômico de US$ 700 bilhões e a reforma regulatória necessária para evitar uma repetição da crise atual.   O pacote que os democratas preparam inclui a criação de um órgão de regulação de risco das instituições financeiras semelhante à Comissão de Valores Mobiliários, que fiscaliza o mercado de ações. O sistema seria consolidado com a fusão de órgãos. As medidas envolvem também novas leis sobre incentivos pagos a altos executivos e sobre operações com cartões de crédito. O mesmo órgão deve controlar setores que hoje são supervisionados por órgãos distintos e outros que não são regulados por ninguém. Ele terá sob seu guarda-chuva bancos e outras instituições financeiras, companhias de seguros, fundos de hedge e empresas que antes atuavam livremente, como as corretoras que intermedeiam a compra e venda de dívidas hipotecárias. A falta de controle sobre a concessão de créditos com base nesses papéis, ancorados sobre avaliações irreais de casas e apartamentos, desencadeou a crise econômica.   (Com Lourival Sant´Anna, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
furacão Paloma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.