OEA pede que governo hondurenho garanta segurança de Zelaya

Secretário-geral de bloco americano pede também por embaixada brasileira, onde líder deposto se encontra

21 de setembro de 2009 | 17h25

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, pediu nesta segunda-feira, 21, ao governo de facto hondurenho para que garanta a segurança do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e da embaixada do Brasil, onde o chefe de Estado se encontra.

 

Veja também:

linkZelaya volta a Honduras e se refugia na embaixada do Brasil

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno do presidente deposto

 

"Queremos pedir calma aos envolvidos neste processo, e assinalar às autoridades do governo de facto que devem se fazer responsáveis pela segurança do presidente Zelaya e da embaixada do Brasil", afirmou Insulza em comunicado, segundo a agência France Presse.

 

Após o retorno de Zelaya a Honduras, o Conselho permanente da OEA convocou uma reunião extraordinária, marcada para às 17h30 (no horário de Brasília) para discutir a crise política no país. Inzulsa também declarou nesta tarde que está disposto a viajar para Honduras "o mais rápido possível."

 

A volta do presidente deposto a Tegucigalpa, capital hondurenha, é a primeira desde o golpe de Estado de 28 de junho, que o tirou do poder.  

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.