OEA pede reunião para resolver crise entre Colômbia e Equador

Reunião extraordinária vai tratar das relações dos países, abaladas desde o ataque colombiano às Farc no sábado

Reuters,

03 de março de 2008 | 14h48

O Conselho Permanente da OEA convocou uma reunião extraordinária para terça-feira para tratar do conflito diplomático entre Colômbia e Equador, disse nesta segunda-feira uma fonte da Organização dos Estados Americanos.  Veja também:Colômbia acusa Equador e Venezuela na Assembléia da ONUFidel alerta para as 'trombetas da guerra' na América do Sul Chávez diz que morte de número 2 das Farc foi ato 'covarde'Perfil de Raúl Reyes, o 'número dois' das FarcEntenda a crise entre Colômbia, Equador e Venezuela  Por dentro das Farc   As relações entre os dois países ficaram estremecidas depois que Bogotá bombardeou, no sábado, um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano, num ataque em que morreram um líder do grupo e outros 16 rebeldes. "A reunião do Conselho foi marcada para as 15 horas (no horário local) de terça-feira", disse por telefone uma fonte da OEA, que reúne 34 países da região. Equador e Venezuela, que tem no presidente Hugo Chávez um aliado próximo de Quito, ordenaram um reforço militar nas fronteiras com a Colômbia em reação ao ataque. O venezuelano advertiu que pode ser o início de um enfrentamento bélico na região. Bogotá disse que não iria responder com a mesma estratégia e decidiu não mandar tropas adicionais à área. Raul Reyes, número 2 na hierarquia das Farc, foi morto por aviões colombianos que atacaram um acampamento das Farc localizado a 1.800 metros da fronteira colombiana com o Equador.  No sábado, 1º, o ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, assegurou que Álvaro Uribe, presidente colombiano, havia informado o chefe de Estado equatoriano, Rafael Correa, sobre a operação, que negou estar ciente da operação. Chávez caracterizou a ofensiva de "massacre". Para o presidente venezuelano, houve um "assassinato covarde" de um "bom revolucionário." (Reportagem de Adriana Garcia)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.