Olade define plano para integração energética da AL

O plano será a carta de navegação da organização para os próximos três anos

EFE

01 Março 2008 | 01h26

A Organização Latino-Americana de Energia (Olade) definiu nesta sexta-feira em Quito seu plano trienal, que procura fortalecer a integração energética e melhorar a competitividade regional. Tal plano foi aprovado no final da 3ª reunião do Comitê Diretor do organismo, que aconteceu na capital equatoriana, sede permanente da Olade. O secretário-executivo da instituição, o colombiano Carlos Flórez Piedrahita, disse que participaram da reunião os delegados de Brasil, Argentina, Cuba, El Salvador, Guatemala, México, Jamaica, República Dominicana e Venezuela, que formam o Comitê Diretor, assim como do Equador e do Uruguai. O plano, segundo Flórez Piedrahita, será a "carta de navegação da organização para os próximos três anos" e disse que esse programa será dividido em planos operacionais anuais que se desenvolverão em períodos que irão "de março a março de cada ano". A Olade, ao fixar seu Mapa de Caminho, pretende adquirir uma maior liderança e reconhecimento regional, que se reflita em uma participação mais ativa no âmbito energético, acrescentou o Diretor-executivo.  Mencionou que os objetivos do plano trienal buscam fortalecer a Olade para que responda às necessidades de integração energética regional e para o qual precisa melhorar sua estrutura interna. Além disso, a Olade prevê motivar a participação ativa nos objetivos dos 26 países-membros, todos da América Latina e do Caribe, mas não só de seus Governos, mas de todos os atores envolvidos no setor energético, acrescentou. O organismo também se propôs modernizar seus sistemas de informação para que respondam às necessidades dos países no planejamento e desenvolvimento de seus setores energéticos. Outro dos objetivos da entidade é promover esquemas que permitam incentivar a competitividade dos países-membros, mediante a implementação de programas de eficiência energética, uso racional da energia e o desenvolvimento de energias alternativas na região. Nos próximos três anos a Olade prevê também coordenar ações com organismos internacionais para canalizar os recursos necessários que permitam o impulso de projetos regionais no campo da energia, sobre a base de princípios de "efetividade e solidariedade". Flórez Piedrahita acrescentou que esses objetivos trienais vão se concretizar em um planejamento anual, que inclui a realização de vários foros e encontros para conhecer as necessidades reais de cada país em matéria energética. Está prevista, por exemplo, a realização do 3º Seminário Latino-americano e do Caribe sobre Biocombustíveis, na República Dominicana, entre os dias 26 e 27 de maio próximo. Esse calendário demonstra que "há vontade e o desejo de materializar" a integração energética regional, disse o colombiano, ressaltando que depois da reunião de Quito a Olade se encontra "fortalecida, engrandecida e com muito otimismo".

Mais conteúdo sobre:
Olade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.