Oliver Stone masca coca com Evo Morales na Bolívia

Cineasta entrevista o presidente boliviano e o paraguaio para documentário sobre o venezuelano Hugo Chávez

Agências internacionais,

14 de janeiro de 2009 | 08h07

O cineasta Oliver Stone viajou na terça-feira, 13, para La Paz, na Bolívia, e Assunção, no Paraguai, para filmar entrevistas com os presidentes boliviano, Evo Morales, e paraguaio, Fernando Lugo. O material será parte de um documentário que o diretor americano preparara sobre o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em que também aproveita para analisar a "revolução na América do Sul" e o ressurgimento de políticos de esquerda nos últimos anos. Foto: Efe Stone, que em outubro estreou uma biografia crítica do presidente americano, George W. Bush, filmou com Evo por mais de meia hora no palácio presidencial, onde foi convidado pelo presidente para marcar folhas de coca, como fazem os indígenas bolivianos. Durante a tarde, o diretor viajou para Assunção, onde gravou com Lugo. O cineasta americano, que nesta quarta seguirá para a Argentina, estava acompanhado de sua equipe de produção, integrada por cerca de dez pessoas. O cineasta já gravou com o presidente do Equador, Rafael Correa, e de Cuba, Raúl Castro. Além disso, fez um giro pelo Estado venezuelano de Barinas, onde nasceu Chávez, em que esteve acompanhado pelo próprio presidente O ministro de Comunicação paraguaio, Augusto dos Santos, disse em entrevista coletiva que Stone entrevistou Lugo por aproximadamente 35 minutos na residência presidencial. Stone fez uma série de perguntas ao chefe de Estado paraguaio, as quais, segundo o ministro de Comunicação, estariam relacionadas à sua gestão, à situação do Paraguai e ao ponto de vista do presidente a respeito do contexto político e social latino-americano.  O cineasta, que por ocasião do documentário já entrevistou o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse várias vezes que sua próxima obra focaria o chefe de Estado venezuelano e o surgimento de políticos de esquerda na América do Sul nos últimos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.