ONU admite reavaliação de valor para alimentar Haiti

Estimativas indicam que país precisa que ajuda ocorra por mais um ano, e não por seis meses

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

26 de janeiro de 2010 | 22h00

Mulher haitiana corre de multidão que se esforça para conseguir retirar comida em Cite Soléil. Foto: Damon Winter/The New York Times

 

GENEBRA- A ONU admite que está revendo para cima o valor que terá de gastar no Haiti para alimentar 2 milhões de pessoas. As novas estimativas apontam que a ajuda terá de ocorrer por um ano, e não apenas seis meses como havia sido previsto inicialmente. O problema, segundo a entidade, é que a ONU recebeu apenas um terço da quantia que pediu para a distribuição de alimentos, cerca de US$ 275 milhões.

 

Veja também:

Lula assina MP que libera R$375,95 milhões em ajuda ao Haiti

John Travolta pilota próprio avião até o Haiti para levar ajuda

Saque e falhas para distribuir comida persistem no Haiti

 

Outra prioridade do trabalho de socorro da ONU é o de garantir que barracas sejam enviadas ao Haiti. Já seriam 1 milhão de desabrigados e a entidade conta com apenas 40 mil barracas.

 

Para completar, a organização também indica que passará a dar uma maior atenção às cidades no interior, já que quase 300 mil pessoas já deixaram a capital rumo a essas regiões. O problema é que muitas delas não estão preparadas para atender esse movimento de pessoas.

 

Com cerca de mil amputações já realizadas pelos hospitais montados pelas equipes de socorro, a ONU insiste que o atendimento aos haitianos está "melhorando". "As coisas estão entrando nos trilhos. Ainda não é perfeito. Mas a tarefa não é impossível", afirmou Elizabeth Byrs, porta-voz da ONU para Assuntos Humanitários.

 

Tudo o que sabemos sobre:
ajudaHaitiOnu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.