ONU contabiliza pelo menos 36 funcionários mortos no Haiti

Número de baixas da organização deve subir; guarda foi resgatado com vida dos escombros da sede da entidade

Reuters e Associated Press,

14 de janeiro de 2010 | 16h14

Ao menos 36 funcionários da ONU foram confirmados como mortos nesta quinta-feira, 14, após o terremoto de magnitude 7 que atingiu o Haiti na terça-feira. As vítimas estavam na sede da entidade situada em Porto Príncipe, capital do país, conforme anunciou um oficial.

 

Veja também:

linkAjuda humanitária começa a chegar ao Haiti

linkHaitianos passam noite nas ruas entre corpos e escombros

linkBrasil e EUA pedirão mais doações ao Haiti em reunião

linkNúmero de militares brasileiros mortos chega a 14

 

Segundo David Wimhurst, que falou com jornalistas por meio de uma chamada de vídeo a partir de Porto Príncipe, entre os mortos estão quatro policiais, 13 civis e 19 militares, todos a serviço da ONU.

 

"Infelizmente, a expectativa é de que ainda mais corpos sejam recuperados", disse Wimhurst.

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado

 

Resgate

 

Mais cedo, porém, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou que um guarda de segurança da entidade foi resgatado com vida entre os escombros do prédio em Porto Príncipe.

 

Ban disse que o fato era "um pequeno milagre" em meio à sombria busca por pelo menos 100 funcionários da ONU desaparecidos ou soterrados pelos restos do edifício e por outros 50 em outros locais devastados pelo tremor.

 

O porta-voz da ONU, Martin Nesirky, disse que a organização segue relacionando os funcionários civis nacionais e internacionais da força de paz que morreram.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremoto no HaititerremotoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.