José Miguel Gómez/ REUTERS - 20/1/2014
José Miguel Gómez/ REUTERS - 20/1/2014

ONU denuncia deslocamento de quase 600 pessoas na Colômbia devido a combates

Comunidades indígenas e afrocolombianas temem hostilidades de Exército e grupos armados ilegais

EFE, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2019 | 03h37

BOGOTÁ - O Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (Ocha) na Colômbia denunciou que 589 pessoas de quatro comunidades indígenas e camponesas do município de Tierralta se deslocaram como consequência de enfrentamentos entre o Exército e grupos armados ilegais.

O escritório da ONU disse no sábado, 13, que do total de pessoas em situação de deslocamento, 27 famílias sofreram a maior afetação pela sua proximidade ao local onde foram registrados os combates entre as Forças Militares e um grupo armado organizado não identificado. 

As vítimas, pertencentes a comunidades indígenas e afrocolombianas, se abrigaram em casas de familiares ou amigos e algumas delas estão em estradas e diferentes bairros da região urbana de Tumaco, o município com maior número de hectares semeados de coca. 

Segundo o comunicado da Ocha, as famílias foram para o povoado da comunidade de Simbra, pertencente ao Resguardo Indígena Embera Katío do Alto Sinú. A nota detalha que o assentamento fica na bacia do rio Verde, no município de Tierralta, pertencente ao departamento de Córdoba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.