ONU leva alimento para Zelaya; 162 pessoas deixam embaixada

Manuel Zelaya, presidente deposto de Honduras, e seus acompanhantes na Embaixada do Brasil recebem ajuda

EFE,

22 de setembro de 2009 | 22h45

Representantes da ONU levaram nesta terça, 22, alimentos e água para o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e seus acompanhantes na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, declarou à Agência Efe o porta-voz do Ministério Público hondurenho, Melvin Duarte.

Segundo Duarte, pelo menos 162 pessoas deixaram a embaixada por ação das forças de segurança.

 

Veja também:

linkBrasil quer que ONU discuta crise de Honduras

linkAmorim: Brasil e EUA buscam solução moderada em Honduras

linkPPS pede que governo explique como Zelaya foi à embaixada

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça comentário de Lula sobre crise política

som Eldorado: Mercadante cogita suspensão de acordos entre países

 

O porta-voz do Ministério Público disse que essa instituição coordenou com o escritório local das Nações Unidas o envio de alimentos e água, já esgotados na sede diplomática brasileira. Os mantimentos foram entregues na embaixada pelo pessoal das Nações Unidas, disse Duarte.

 

O sacerdote Andrés Tamayo, que acompanha Zelaya, disse à Efe por telefone que "houve momentos nos quais uma bolacha era dividida em quatro partes para que ninguém ficasse sem comer". "Houve muita solidariedade, o presidente nos acompanhou o tempo todo", relatou Tamayo, em referência a Zelaya.

 

O sacerdote acrescentou que a comida "escasseou" porque havia mais de 400 pessoas dentro da embaixada, entre adultos e crianças. O porta-voz do Ministério Público informou que a Procuradoria de Direitos Humanos coordenou hoje a saída de 162 hondurenhos, 140 adultos e 22 crianças, que tinham se refugiado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa durante a ação das forças de segurança para retirar os simpatizantes a Zelaya dos arredores do local.

 

Segundo Duarte, o Ministério Público transportou essas pessoas para suas casas de ônibus.

Do lado de fora da embaixada, médicos estão de plantão para eventuais atendimentos a pessoas que estão dentro da sede diplomática.

 

Zelaya está na Embaixada do Brasil na capital hondurenha desde segunda-feira acompanhado por sua mãe, Hortensia Rosales; sua esposa, Xiomara Castro; além de dois de seus filhos e dezenas de seguidores que exigem sua restituição no poder.

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.