ONU mostra preocupação por crise entre Colômbia e Equador

O secretário-geral da ONU, Ban KiMoon, expressou nesta segunda-feira preocupação pela crisediplomática entre Colômbia e Equador depois que Bogotábombardeou um acampamento das Farc em território equatoriano,disse uma funcionária da entidade. O governo colombiano defendeu a legitimidade do bombardeiodo fim de semana, quando morreu o líder rebelde da ForçasArmadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Raúl Reyes, egarantiu que uma resolução das Nações Unidas (ONU) autorizaesses ataques contra o terrorismo. Como reação ao bombardeio, Equador e Venezuela ordenaram oreforço militar em suas fronteiras com a Colômbia. "O secretário-geral está preocupado com as crescentestensões e o tom elevado da retórica desde o fim de semanaenvolvendo a Colômbia e seus vizinhos Equador e Venezuela",disse Michele Montas, porta-voz da ONU, em um comunicado. Ban Ki Moon "insta à moderação e pede que os três paísesdiscutam suas preocupações no espírito de diálogo e cooperaçãoque tradicionalmente caracterizam suas relações", acrescentouela. O presidente venezuelano, Hugo Chávez, aliado do presidenteesquerdista equatoriano, Rafael Correa, advertiu que a crisepode ser o início de um enfrentamento bélico na América do Sul. Os Estados Unidos expressaram nesta segunda-feira seu apoioa Bogotá e condenaram as atividades das Farc, grupo consideradouma organização terrorista por Washington, União Européia e ogoverno colombiano. A Colômbia é o principal aliado dosnorte-americanos na América Latina. (Reportagem de Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.