ONU pede a Honduras garantias de segurança para Zelaya

Secretário-geral do órgão condena ameaças à embaixada brasileira e mostra preocupação com a crise no país

Agência Estado, Associated Press e Efe,

29 de setembro de 2009 | 14h08

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu nesta terça-feira, 29, que seja garantida a segurança do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya. Ban descreveu as ameaças à embaixada do Brasil em Tegucigalpa como "inaceitáveis" e "intoleráveis".

 

Veja também:

linkDivergência entre Brasil e EUA sobre Honduras expõe racha na OEA

linkMicheletti já admite rever estado de sítio 

link''Estado de exceção deve prolongar crise'' 

linkEntrevista Aliás: Gigante ou anão diplomático?

lista Ficha técnica: Honduras, pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse

video TV Estadão: Ex-embaixador comenta caso Zelaya

 

Ban falou, durante entrevista coletiva na sede da ONU em Nova York, que está "profundamente preocupado" com os últimos acontecimentos no país. "A lei internacional é clara: a imunidade soberana não pode ser violada", lembrou. "As ameaças ao pessoal da embaixada e suas premissas são intoleráveis. O Conselho de Segurança condenou esses atos de intimidação. Eu também faço isso, nos termos mais fortes."

 

Zelaya foi deposto e expulso de Honduras em um golpe de Estado no fim de junho. O presidente deposto retornou ao país há uma semana e desde então está abrigado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

 

"Exorto os atores políticos a que se comprometam de forma séria com o diálogo e os esforços de mediação regionais. Reafirmo que as Nações Unidas estão dispostas a auxiliar de qualquer forma", disse Ban.

 

O secretário-geral disse ainda que estava "atento" à decisão do Congresso hondurenho de rejeitar a suspensão das liberdades civis, tal como decidiu no sábado o governo golpista liderado por Roberto Micheletti e também pediu o "pleno respeito" às garantias constitucionais, incluindo as liberdades de associação, expressão e movimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.