ONU pede investigação de assassinato de Sérgio Vieira de Mello

Relator diz que investigação interna 'não foi satisfatória'; diplomata brasileiro foi morto em Bagdá em 2003

Efe,

04 de junho de 2008 | 14h28

O relator das Nações Unidas sobre a Independência de Juízes e Advogados Leandro Despouy pediu nesta quarta-feira, 4, a formação de uma comissão de investigação internacional para investigar os fatos relacionados ao assassinato do então alto comissário da ONU para os Direitos Humanos Sérgio Vieira de Mello. Veja também:ONU homenageia diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello O diplomata brasileiro morreu em um atentado contra a sede das Nações Unidas em Bagdá em 19 de agosto de 2003, ataque que também matou alguns membros da equipe do diplomata. "Não podemos aceitar a impunidade, o silêncio e a incompreensão", declarou Despouy, que apresentou hoje o relatório anual de suas atividades no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Para Despouy, os resultados das investigações internas realizadas pela ONU não são satisfatórios, pois "os responsáveis não foram identificados nem a reconstituição foi realizada." Despouy explicou que uma das razões pelas quais o assassinato de Mello não foi esclarecido é a morte de um dos autores do atentado, "a última testemunha, mas condenado à morte e executado" em julho do ano passado em Bagdá. A Justiça iraquiana condenou o terrorista à pena capital e o presidente e o vice-presidente do país se negaram a trocar a pena, apesar dos insistentes pedidos de Despouy, lembrou o relator. Despouy sugeriu que a comissão de investigação seja formada por personalidades independentes e de prestígio internacional. Além disso, disse que seus membros poderiam ser designados pelo secretário-geral da ONU, pelo Conselho de Segurança ou por algum outro órgão de grande influência, mas reiterou que um de seus integrantes deve ser brasileiro. "Espero que o secretário-geral, Ban Ki-moon, apóie esta idéia ou proponha uma alternativa", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.