Jorge Silva/Reuters
Jorge Silva/Reuters

ONU: Tremor destrói 10% de Porto Príncipe e desabriga 300 mil

Segundo levantamento da organização, 3,5 milhões foram afetados pelo tremor; ajuda chega a US$ 268,5 milhões

estadao.com.br,

15 de janeiro de 2010 | 08h53

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou nesta sexta-feira, em Genebra, que o terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o Haiti na terça destruiu 10% de Porto Príncipe e deixou 300 mil pessoas desabrigadas.

Veja também:

linkCorpo de Zilda Arns chega a Brasília

linkAo menos 17 brasileiros morreram , diz Jobim

. No caos, Haiti busca sobreviventes 

Ainda segundo a ONU, 3,5 milhões de pessoas foram afetadas pelo desastre. Até agora, o governo haitiano contabiliza 7 mil mortos no tremor, mas estima que o número pode chegar a 50 mil.

 

De acordo com o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU, em algumas áreas a destruição chega a 50%. A ONU observou que, além de Porto Príncipe, os centros urbanos de Jacmel e Carrefour foram muito atingidos.

 

A ONU contabilizou em US$ 265,5 milhões as promessas de ajuda humanitária ao Haiti. As maiores doações vem dos EUA (US$ 100 milhões), do Brasil (US$ 15 milhões) e Reino Unido (US$ 10 milhões).

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado

 

Comida

 

O Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) afirmou que dois milhões de haitianos devem receber assistência depois do terremoto. O órgão revelou ainda que seus armazéns no Haiti foram saqueados por vítimas famintas.

 

A ONU  afirmou também que o acesso aos desabrigados continua sendo limitado devido aos obstáculos nas vias e ao trânsito congestionado e que a avaliação completa dos danos tomará dias.

 

A organização mantém como prioridade a assistência para a busca e resgate de vítimas, o que  everá incluir a chegada ao Haiti de equipamento pesado e material médico.

 

Seis equipes para essa missão já estão na ilha, aos quais se juntarão hoje mais 21 equipes da organização internacional.

 

Quanto aos serviços básicos, não há abastecimento de água nem de energia elétrica, e a maior parte das comunicações continua bloqueada.

 

Com informações da Efe

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.