Jae C. Hong/Associated Press
Jae C. Hong/Associated Press

ONU vê melhora na ajuda ao Haiti e nega caos generalizado

Porto Príncipe, no entanto, está repleta de acampamentos improvisados; ONG está preocupada com crianças

Efe,

19 de janeiro de 2010 | 21h05

A Missão de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah) vê melhoras nas condições de segurança e na distribuição de ajuda no país, e é taxativa ao negar que exista uma situação de caos e violência generalizada após o terremoto.

 

"A situação global de segurança está melhorando, a ajuda humanitária está aumentando e a coordenação dessa ajuda com o Governo também está melhorando", disse nesta terça-feira, 19, o guatemalteco Edmond Mulet, chefe interino da Minustah, em coletiva de imprensa.

 

Mulet disse que o terremoto fez com que o país retrocedesse 100 anos, mas negou que seja prisioneiro da insegurança como, segundo ele, alguns meios de comunicação divulgam de "forma irresponsável". "Não há saques generalizados, nem grupos que atacam ou controlam a cidade", disse em referência às várias imagens publicadas sobre episódios de saques.

 

Veja também:

linkNas ruas, haitianos reclamam de 'excesso de militares'

linkONU aprova mais 3.500 soldados e policiais para Haiti

linkONU: ainda há esperança de resgates com vida no Haiti

 

De acordo com ele, os 3.500 militares e dois mil policiais da Minustah que patrulham Porto Príncipe são suficientes para manter a ordem e, de fato, as tropas americanas e canadenses, que tem chegada prevista para os próximos dias, servirão para ajudar nos pontos de distribuição de alimentos, não para patrulhar.

 

Quanto à distribuição de comida, a coordenadora humanitária Kim Bolduc disse que o Programa Mundial de Alimentos (PMA) conseguiu dar pratos de comida a 200 mil pessoas nesta primeira semana, mas esclareceu que não foram diários, mas com um sistema de rotação para chegar aos diferentes bairros.

 

Bolduc se mostrou contrário à ideia de lançar comida do ar, como fizeram algumas vezes helicópteros

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

 

americanos, criando cenas de caos e tumulto. "Precisamos de uma distribuição ordenada e respeitosa da comida", disse.

 

São muitos os haitianos que se queixam de terem recebido pouca comida, às vezes algumas barras energéticas, na semana que passou desde o terremoto, e que têm que se alimentar graças à caridade de seus vizinhos.

 

O Governo haitiano disse que tem por enquanto comida suficiente e que o problema é o armazenamento e a distribuição, tanto que o PMA pensa em construir uma base logística na República Dominicana para fazer, a partir dali, os envios.

 

Além disso, Bolduc falou da necessidade relativamente urgente de encontrar locais para onde levar o 1,5 milhão de pessoas que estão nas ruas para espaços protegidos dos furacões que podem começar em cinco meses.

 

A cidade de Porto Príncipe está repleta de acampamentos improvisados, sem nenhuma estrutura básica de higiene. Famílias inteiras penduraram nas ruas cartazes com mensagens nas quais pedem "água, comida e remédios".

 

A ONG Save the Children mostrou nesta terça preocupação com a segurança e a saúde das crianças do Haiti, e começou a estabelecer espaços seguros para elas nos refúgios e acampamentos instalados após o terremoto.

 

A organização humanitária explicou em comunicado que as condições insalubres da região do terremoto e a escassez de água potável podem causar "a propagação de doenças, que podem ser fatais para os sobreviventes mais jovens".

 

Mulet disse que há sinais de uma tímida atividade econômica, embora seja difícil ver algum comércio aberto, e assegurou que entre quinta e sexta-feira os bancos abrirão com proteção da Minustah até que, em um prazo razoável, possam contar com sua própria segurança. Além disso, assinalou que a missão contratou haitianos para tarefas de limpeza e reconstrução para melhorar o aspecto das ruas e contribuir ao mesmo tempo para reativar a economia local.

 

Por último, lembrou que o corredor humanitário entre a cidade dominicana de Barahona (próxima à fronteira com o Haiti) e Porto Príncipe já está funcionando, embora ainda não esteja totalmente estruturado.

 

Assembleia extraordinária

 

A Organização dos Estados Americanos (OEA) estuda realizar uma assembleia geral extraordinária no país vizinho a nação caribenha para coordenar a ajuda humanitária para o Haiti, informou nesta terça o chanceler dominicano, Carlos Morales Troncoso.

 

O tema foi tratado com o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, após uma reunião nesta segunda-feira, 18, em Santo Domingo que teve a presença do presidente haitiano, René Préval.

 

Embora tenha sido fixada uma data para a realização da assembleia, Troncoso disse que ela seria realizada após uma reunião convocada para 25 de janeiro no Canadá para analisar a situação haitiana, para a qual a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, já confirmou presença.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoHaiticaossaquesOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.