ONU vota resolução contra embargo dos EUA a Cuba

Votação nesta quarta será a 18ª ocasião que Havana apresenta projeto para pedir fim das sanções

Efe,

27 de outubro de 2009 | 22h09

Os 192 países da Assembleia Geral da ONU votarão nesta quarta-feira, 28, uma resolução de condenação ao embargo comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba.

 

A reunião de quarta será a 18ª ocasião consecutiva na qual o Governo cubano apresenta no organismo multilateral um projeto de resolução para pedir o fim das sanções americanas contra a ilha.

 

Esta também será a primeira ocasião em que as Nações Unidas tratarão do embargo imposto pelos EUA desde que Barack Obama assumiu a Presidência do país.

 

No ano passado, uma resolução similar foi aprovada com os votos favoráveis de 185 países, três contra (EUA, Israel e Palau) e as abstenções de Ilhas Marshall e Micronésia.

 

Fontes diplomáticas declararam à Agência Efe que a expectativa é de um respaldo similar da comunidade internacional ao documento que será apresentado pela delegação cubana liderada pelo ministro das Relações Exteriores do país, Bruno Rodríguez.

 

No último dia 14, Rodríguez previu em Havana "outra famosa vitória" da diplomacia cubana nas Nações Unidas em relação à política "hostil" de Washington.

 

O ministro lembrou que Obama, mesmo que quisesse, não poderia suspender o embargo imediatamente devido a empecilhos legais, mas poderia emitir normas que o flexibilizem, "algo que não parece estar disposto a fazer".

 

Além disso, segundo Rodríguez, 80% dos americanos é contra o embargo, assim como a maioria dos exilados cubanos nos EUA.

 

O embargo americano sobre Cuba começou oficialmente em 7 de fevereiro de 1962 sob o Governo de John F. Kennedy, mas Washington já tinha imposto certas sanções a partir de 1959.

 

As restrições comerciais e financeiras representaram perdas à economia cubana estimadas em US$ 242,4 milhões no último ano e de US$ 96 bilhões desde quando entraram em vigor, segundo o Governo de Havana.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACubaONUembargo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.