Oposição chama proposta de Morales de 'bomba de fumaça'

Presidente anuncia que enviará ao Congresso projeto de lei pedindo convocação de um referendo revogatório

Efe,

06 de dezembro de 2007 | 03h28

Dirigentes dos principais partidos da oposição na Bolívia afirmaram que a proposta do presidente Evo Morales de se submeter a um referendo com poder para revogar seu mandato e o de nove governadores "não faz sentido" e "é uma bomba de fumaça". Veja também: Evo Morales propõe referendo sobre revogação de mandato Morales em mensagem à nação, anunciou que enviará nesta quinta-feira ao Congresso um projeto de lei pedindo a "rápida" convocação de um referendo revogatório. O vice-presidente do Senado, Carlos Borth, da aliança direitista Poder Democrático e Social (Podemos), disse que a proposta "não faz sentido" se a previsão governista é aprovar até 14 de dezembro a nova Constituição. Com a sua entrada em vigor, explicou, deve haver uma eleição geral no próximo ano para presidente, vice-presidente, governadores, senadores e deputados. Na sua opinião, é preciso esperar a conclusão dos trabalhos da Constituinte para se ter "uma idéia completa" da proposta de Morales. "Se a Assembléia fracassar e não apresentar uma nova Constituição, a proposta é pertinente e um grande desafio político para os governadores. Mas se a Constituinte aprovar algo parecido, o referendo não faz sentido", opinou. O líder da bancada da União Nacional (UN, centrista), Arturo Murillo, declarou à Efe que a proposta "é uma bomba de fumaça". Ele lembrou que já existe há vários meses um projeto de lei para revogar mandatos, que não foi aprovado no Congresso. O Movimento Ao Socialismo (MAS, governista) controla a Câmara Baixa. Já os opositores dominam o Senado. "Se o Senado quisesse um plebiscito, já teria convocado um", afirmou Murillo. Na sua opinião, o presidente Morales deve cumprir o seu mandato de cinco anos. Morales explicou que propunha o referendo para que o povo diga se quer manter o processo de mudança liderado pelo seu governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.