Oposição cita crise em diálogo com governo da Bolívia

O diálogo entre o governoboliviano e a oposição para frear uma onda de violênciapolítica no país entrou em crise depois que militares prenderamum governador pela matança de camponeses, disse nestaterça-feira um líder opositor. "Para nós o diálogo não morreu, mas agoniza", disse ajornalistas o governador do Departamento de Tarija, MarioCossío, que representou a oposição nas conversas com o governo. "Esperamos que nas próximas horas o presidente da Repúblicapossa refletir sobre o impacto de sua decisão num processo quese tornava talvez a última oportunidade para pacificar nossopaís e começar a construir um grande acordo nacional",completou. O governador do distrito de Pando, uma região sob estado desítio pela onda de violência política, foi detido por militarese confinado num lugar desconhecido, acusado de ter ordenado amorte de vários camponeses partidários do presidente EvoMorales. O governo anunciou que designará dentro de horas umsucessor do confinado Leopoldo Fernández. A prisão dogovernador pode debilitar o bloco opositor, que realiza umaviolenta campanha por autonomias regionais e em oposição aosplanos socialistas de Morales. Cossío disse que a declaração de estado de sítio e a prisãodo governador Fernández não são um bom cenário para dialogar ebuscar uma saída para a crise. O governador de Tarija pediu aos dirigentes cívicos de seudepartamento que levantem os bloqueios como um sinal de paz einsistiu que o caminho é o diálogo. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.