Oposição mexicana vence partido de Calderón em eleição estadual

O principal partido de oposição do México apresentou mais um desafio para o presidente Felipe Calderón e seu partido conservador durante uma eleição estadual no fim de semana, que pode influenciar a votação para presidente no próximo ano.

DAVE GRAHAM, REUTERS

14 de novembro de 2011 | 14h24

Resultados preliminares da eleição de domingo para governador em Michoacán mostraram Fausto Vallejo, do Partido Revolucionário Institucional (PRI), derrotando a irmã mais velha do presidente, Luisa María Calderón, do Partido da Ação Nacional (PAN), em uma votação estadual bastante acirrada -- a última antes da eleição presidencial em julho de 2012.

Se confirmada, a derrota em uma campanha dominada por temores sobre a crescente violência relacionada às drogas completaria um fim de semana difícil para o governo de Felipe Calderón, que perdeu seu ministro do Interior em um acidente de helicóptero na sexta-feira.

Com quase 96 por cento dos votos contados, Vallejo estava com 35,38 por cento e Luisa María com 32,67 por cento, informou o instituto eleitoral de Michoacán em seu site.

O terceiro colocado, Silvano Aureoles, do esquerdista Partido da Revolução Democrática (PRD), que governou o estado durante a última década, estava logo atrás, com 28,9 por cento.

O PAN, de Calderón, nunca ganhou uma eleição nesse estado ocidental, mas pesquisas recentes haviam sugerido que sua irmã tinha uma boa chance de mudar isso.

A disputa em Michoacán estava tão apertada que os candidatos de todos os três partidos se declararam vitoriosos depois do encerramento da votação, citando as próprias pesquisas de boca-de-urna.

A repressão militar de Calderón às gangues de drogas tem dominado a sua presidência, e a explosão da violência provocada por ela estava no centro da campanha eleitoral em Michoacán.

Não só os candidatos se comprometeram a melhorar a segurança, como também foram obrigados a evitar as áreas perigosas na campanha eleitoral devido a temores por sua segurança. A corrida presidencial do próximo ano deve seguir um padrão semelhante.

A irritação por causa das vítimas da guerra de Calderón aos traficantes, lançada em Michoacán há cinco anos, prejudicou o apoio aos conservadores.

Cerca de 45.000 pessoas foram mortas no massacre, e os mexicanos esperam que o próximo governo coloque fim à violência.

A vitória em Michoacán deu ao PRI sua quarta vitória estadual consecutiva contra o PAN, ajudando a aumentar sua influência na política mexicana.

O PRI, que governou o México por 71 anos, até 2000, vai agora controlar 20 das 32 entidades federais do México. Ele já é o maior bloco na Câmara dos Deputados, onde rejeitou grande parte dos projetos propostos por Calderón.

A vitória de Vallejo, ex-prefeito da capital do estado, Morelia, deve favorecer Enrique Pena Nieto, do PRI, o favorito para ganhar a presidência em 2012.

O PRI ainda tem que escolher oficialmente o candidato para o próximo ano, mas pesquisas recentes mostraram Pena Nieto com cerca de 50 por cento de apoio entre os eleitores, o dobro de seus rivais mais próximos.

Tudo o que sabemos sobre:
MEXICOOPOSICAOELEICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.