Oposição venezuelana anuncia campanha pela imprensa

Hugo Chávez ameaçou tomar medidas severas contra veículos privados; opositores prometem ações nas ruas

Associated Press,

11 de maio de 2009 | 18h22

O prefeito opositor venezuelano Antonio Ledezma anunciou nesta segunda-feira, 11, que a oposição iniciou ações nas ruas em defesa da liberdade de expressão após ameaças de repressão do governo do presidente Hugo Chávez. Ledezma, prefeito de Caracas, criticou duramente o chefe de Estado, que disse que pode tomar medidas severas contra a imprensa. O líder opositor afirmou que "somente um regime ditatorial é capaz de ameaçar como fez ontem o presidente da República em um meio de comunicação social."

 

Veja também:

linkHugo Chávez ameaça veículos de comunicação privados

lista Conheça as medidas de estatização do governo Chávez

 

Em uma entrevista coletiva acompanhada por outros dirigentes, Ledezma disse que a oposição está em "estado de alerta" em defesa da liberdade de expressão. "Hoje anunciamos um compromisso para defender o sinal da Venevisión, FM Center, Unión Radio, Canal I e Globovisión", afirmou o opositor.

 

Já o chanceler Nicolás Maduro expressou nesta segunda seu apoio às declarações de Chávez e assegurou que também tomará ações "ajustadas à lei" para que se "acabe com o terrorismo midiático". "Não vamos ficar com os braços cruzados", disse Maduro, que também revelou que as autoridades atuarão contra os meios que são "violadores da Constituição e dos direitos de todos os venezuelanos."

 

Maduro criticou duramente a emissora de notícias Globovisión, classificando-a de "antidemocrática" e praticante dos "valores do fascismo". Sem citar nomes, Chávez se referiu aos meios privados no domingo em seu programa "Alô, Presidente". "Estão brincando com fogo, manipulando, incitando o ódio e muito mais. Todos, as televisões, as estações de rádio, a imprensa escrita", acrescentou.

 

"Essas ondas eletromagnéticas por quais transmitem são de propriedade pública e social", continuou Chávez, dias depois da Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) abrir um processo contra a Globovisión acusando a emissora de incitar "pânico" ao informar sobre um leve terremoto que ocorreu em 4 de maio na região central do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Hugo ChávezVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.